Este homem visitou todos os países do mundo sem entrar num avião - TVI

Este homem visitou todos os países do mundo sem entrar num avião

  • CNN
  • Kate Springer
  • 12 ago 2023, 17:00
Thor Pedersen explorou o Sri Lanka de comboio. Crédito: Mike Douglas

3.576 dias, 37 navios porta-contentores, 158 comboios, 351 autocarros, 219 táxis, 33 barcos e 43 riquexós durante uma distância equivalente a nove viagens à volta da Terra (sem contar com a viagem de regresso)

Relacionados

A 10 de outubro de 2013, Torbjørn "Thor" Pedersen deixou o emprego, a namorada e a família para trás, na Dinamarca, para embarcar numa viagem épica.

O seu objetivo? Visitar todos os países do mundo sem entrar num avião.

Pedersen estabeleceu algumas regras para si próprio. Passaria pelo menos 24 horas em cada país e resistiria a regressar a casa até terminar.

Também faria o possível para manter os custos baixos e viveria com um orçamento de cerca de 20 dólares por dia (cerca de 18 euros).

Em 24 de maio, esse dia finalmente chegou. Após quase dez anos de viagem, Pedersen visitou com sucesso o seu 203.º e último país, as Maldivas, e iniciou a sua tão esperada viagem de regresso à Dinamarca.

Teria sido mais fácil viajar de avião, claro, mas Pedersen queria respeitar o plano.

"Há um sentimento histórico de regressar a casa de navio - as pessoas podem vê-lo no horizonte e acenar quando desço o passadiço", diz Pedersen, que tem viajado como embaixador da boa vontade da Cruz Vermelha dinamarquesa, à CNN. "E essa parece ser uma forma apropriada de concluir o projeto."

Depois de festejar nas Maldivas, o homem de 44 anos regressou à Malásia, via Sri Lanka, para embarcar no enorme MV Milan Maersk - um navio porta-contentores com cerca de 400 metros de comprimento, ou seja, do tamanho de 3,6 campos de futebol - para a viagem de 33 dias de regresso a casa.

"Na minha cabina, olhei pela vigia para a Malásia e apercebi-me de que todos os dias a vista iria mudar gradualmente até se tornar na Dinamarca", lembra Pedersen.

"Mesmo que partisse uma perna nessa altura, conseguiria chegar a casa. Já não havia cobras, cães selvagens, malária ou vistos para obter - só tinha de evitar cair ao mar!"

Um regresso a casa emocionado

No dia 26 de julho, Pedersen desceu o passadiço do porto de Aarhus, na costa leste da Dinamarca, onde cerca de 150 pessoas o esperavam para festejar.

Entre a multidão que aplaudia estavam a sua mulher Le (Pedersen pediu a namorada em casamento no topo do Monte Quénia em 2016 e casaram em 2021), o pai, os irmãos, os amigos, os parceiros do projeto e muitos apoiantes que têm seguido o seu blogue, Once Upon a Saga, e os canais das redes sociais.

"Tenho visto muitos olhos cheios de lágrimas desde que regressei - houve pessoas que vieram abraçar-me a chorar", conta Pedersen. "Também recebi muitos presentes - cerveja dinamarquesa, leite, comida - e conheci pessoas que têm seguido as minhas redes sociais da Colômbia, Austrália, Noruega... foi fantástico."

Enquanto atende um dilúvio de chamadas, mensagens e pedidos de entrevista, Pedersen tem estado a pôr a conversa em dia com a família em casa do pai.

Também está a saborear todas as pequenas coisas - como o ar limpo e fresco da Dinamarca, as corridas matinais com Le e o leite dinamarquês gelado em todas as oportunidades.

"A minha família está muito orgulhosa. Há muito amor", diz. "Voltar para casa é algo em que me tenho concentrado - algo que queria concretizar há muito tempo. Mas ainda estou a processar o facto de a viagem ter terminado e a pensar no que vem a seguir."

Pedersen à chegada ao porto de Aarhus, saudado pela família e amigos. Crédito: Porto de Aarhus

Dez anos de viagens

Antes de partir em 2013, Pedersen trabalhou em transportes marítimos e logística, o que se revelou uma experiência inestimável no planeamento da complexa rota e na adaptação à estrada.

De facto, não se desviou muito do seu plano original, à exceção de algumas surpresas. Por exemplo, esqueceu-se da Guiné Equatorial, um dos países de acesso mais difícil do mundo. Após quatro meses e muitas tentativas falhadas, Pedersen conseguiu finalmente obter um visto. Apesar de as fronteiras terrestres estarem fechadas na altura, conseguiu atravessá-las graças a um encontro fortuito com um desconhecido que trabalhava na Guiné Equatorial e lhe ofereceu boleia.

Mais tarde, Pedersen pensou que poderia obter um visto chinês na fronteira com a Mongólia e depois viajar para o Paquistão. Mas, devido ao longo tempo de processamento, teve de percorrer cerca de 7.500 quilómetros através de vários países para chegar ao Paquistão antes de o seu visto expirar.

Durante todo este tempo, o tempo começou a acumular-se. Inicialmente, previa que seriam necessários quatro anos para chegar a 203 países (a ONU reconhece 195 Estados soberanos, mas Pedersen incluiu também Estados parcialmente reconhecidos), mas o mundo tinha outros planos.

Durante os seus anos de viagem, Pedersen suportou atrasos de meses na obtenção de vistos em locais como a Síria, o Irão, Nauru e Angola.

Também superou um grave surto de malária no Gana, sobreviveu a uma intensa tempestade de quatro dias enquanto atravessava o Atlântico da Islândia para o Canadá, navegou por fronteiras terrestres fechadas em zonas de conflito e teve de reprogramar muitas viagens devido a navios avariados ou a uma burocracia exaustiva.

O atraso mais significativo foi a pandemia de covid-19.

No início de 2020, o intrépido viajante viu-se subitamente preso em Hong Kong durante dois anos, restando apenas nove países.

"Olho para trás, para Hong Kong, e é um pouco paradoxal. Foi a pior altura da minha vida e, de certa forma, a melhor altura da minha vida. Tive de lidar com a situação - foi uma luta enorme para perceber se devia abandonar este projeto a nove países de distância", recorda Pedersen.

"Tive de perguntar a mim próprio: quanto tempo da minha vida é que vou dedicar a isto? Mas enquanto esperava que o mundo se abrisse, criei uma vida em Hong Kong e criei tantas relações especiais."

Pedersen manteve-se são fazendo jantares com amigos, caminhando pelos muitos trilhos da cidade, trabalhando com a Cruz Vermelha, dando discursos motivacionais e trabalhando na Igreja dos Marinheiros Dinamarqueses.

Tendo obtido um visto de trabalho e residência em Hong Kong, Pedersen casou-se com a sua noiva, Le, que se encontrava na Dinamarca, através de um serviço de casamentos virtuais sediado nos EUA.

Não foi a forma como o casal imaginou o seu grande dia, mas a decisão permitiu a Le tornar-se residente e visitar Pedersen (na altura, Hong Kong proibia os viajantes estrangeiros).

"Passámos 100 dias juntos, o que foi maravilhoso", recorda Le, acrescentando que foi o período de tempo mais longo que passaram juntos desde que Pedersen deixou a Dinamarca em 2013. "Ela conheceu os meus amigos e compreendeu a minha vida. Adorámos fazer caminhadas em Hong Kong e fizemos o Trilho MacLehose, que tem 100 quilómetros de comprimento a mais de metade da elevação do Monte Evereste, lado a lado de uma só vez."

A viagem recomeça

Em 5 de janeiro de 2022, Pedersen pôde finalmente deixar Hong Kong e continuar a atravessar o Pacífico.

A sua primeira paragem foi Palau. Nos bastidores, foram necessários seis meses de negociações com o governo de Palau para o deixar chegar através de um navio porta-contentores, diz.

Depois de 15 dias no mar, Pedersen passou oito dos seus 14 dias em Palau em quarentena num hotel devido a um surto na ilha.

Seguiu-se uma viagem de 16 dias de regresso a Hong Kong, onde voltou a ficar em quarentena num hotel durante mais duas semanas.

Cerca de um mês depois, prosseguiu para a Austrália, depois para a Nova Zelândia, Samoa e Tonga - mas não sem um enorme esforço.

"Tive de me dirigir a quase todos os governos. Em Tonga, estivemos em contacto com o Ministério da Saúde, a Marinha e o Exército. Ninguém queria dizer sim e ir contra o primeiro-ministro [porque o país estava em estado de emergência devido à covid]", explica Pedersen.

"Finalmente, uma noite, recebi um e-mail do primeiro-ministro que dizia simplesmente: 'Está tudo bem, deixem-no entrar'."

Depois de Tonga, Pedersen foi para Vanuatu, onde Le se juntou novamente a ele para poderem casar pessoalmente.

O organizador do casamento convidou todos os hóspedes e funcionários da estância, que fizeram decorações incríveis com folhas de palmeira e desenharam enormes corações adornados com conchas na areia.

"Foi simplesmente lindo - o pessoal era muito querido e alegre, e tornaram tudo muito especial", lembra Pedersen.

Pedersen em Hong Kong, onde passou dois anos inesperados durante a pandemia.
Crédito: Maxime Champigneulle

Os três últimos

Pedersen partiu para o último país do Pacífico, Tuvalu, com receio da logística.

Com nove ilhas e apenas 11.600 habitantes, Tuvalu é uma das nações mais pequenas e remotas do mundo, pelo que pode ser difícil obter peças sobresselentes para os barcos.

"É lindo. O surf é fantástico, o céu é lindo e as pessoas são muito simpáticas e prestáveis", descreve. "Mas não estava à espera de lá ficar dois meses."

"Os navios estavam sempre a avariar. Um deles tinha um buraco no casco com uma fuga. Tentei embarcar noutro navio, mas ele nunca partiu."

Finalmente, Pedersen conseguiu regressar às Fiji num rebocador. A partir daí, uma viagem de 24 dias num navio porta-contentores levou-o a Singapura, onde Le se juntou a ele para apreciarem a comida dos vendedores ambulantes, explorar o Museu Nacional, caminhar no MacRitchie Nature Trail e correr ao longo do rio Singapura.

Depois de Le regressar à Dinamarca, Pedersen atravessou a fronteira terrestre para a Malásia e apanhou um navio para o Sri Lanka antes de zarpar para o último país: as Maldivas.

Quando Pedersen chegou ao porto de Malé, a capital, viu um grupo de pessoas a acenar com pequenas bandeiras dinamarquesas ao lado de um dos seus patrocinadores, a Ross Energy, e de amigos como o viajante norueguês recordista Gunnar Garfors (a primeira pessoa a visitar todos os países do mundo duas vezes), que vieram ajudá-lo a celebrar.

"Quando estive nas Maldivas, foi uma enorme agitação e não tive tempo para refletir", conta. "Estava mentalmente exausto - tinha sido uma montanha russa de emoções."

"Há incerteza quando estou a viajar, mas já estou em modo operacional há tanto tempo que me sinto um pouco seguro. Há um tipo diferente de incerteza quando chego a casa. Serei livre de fazer o que quiser, ir a qualquer lado ou a lado nenhum."

Viajar com um objetivo

Do princípio ao fim, Pedersen registou estatísticas incríveis durante as suas viagens: 3.576 dias, 37 navios porta-contentores, 158 comboios, 351 autocarros, 219 táxis, 33 barcos e 43 riquexós.

Atravessou 223.000 quilómetros, ou seja, o equivalente a nove viagens à volta da Terra - e isto sem contar com a longa viagem de regresso.

Mas não se trata de números, garante Pedersen.

Trata-se de celebrar a bondade das pessoas e partilhar uma visão positiva do mundo.

Iniciei esta viagem com o lema "Um estranho é um amigo que nunca encontrámos antes" e foi-me demonstrado vezes sem conta que isto é verdade", afirma. "Se nos envolvermos com as pessoas, elas geralmente aderem."

Pedersen diz que conheceu pessoas calorosas, simpáticas e prestáveis em todo o mundo, muitas das quais lhe ofereceram chá, refeições, apresentações, apoio na tradução ou simplesmente deram indicações.

"Fiquei em casa de muitos, muitos estranhos durante as minhas viagens e consegui passar ileso por todos os países do mundo - aqueles com conflitos armados, aqueles com surtos de vírus", exclama.

"Ou sou o homem mais sortudo do planeta, ou o mundo está num lugar muito melhor do que a maioria das pessoas é levada a acreditar pelas notícias assustadoras e dramáticas nas redes sociais e nos canais de notícias."

A viagem é também um testemunho da perseverança de Pedersen. Esteve perto de desistir algumas vezes, mas recusou-se a deitar a toalha ao chão.

"Alguém me escreveu hoje a dizer que ganhei o primeiro, segundo e terceiro prémios em teimosia", ri-se Pedersen. "Sempre houve uma solução. Por vezes, só tive de a procurar muito bem."

A sua mentalidade e determinação obstinada vem de um desejo de mostrar aos apoiantes que podem fazer tudo o que quiserem.

"Eu tinha os objetivos mais loucos. E se eu consegui fazer isto, vocês podem perder peso ou aprender a tocar um instrumento, aprender uma língua, estudar, arranjar um emprego... o que quiserem."

Pedersen a desembarcar de um navio de carga em Aarhus. Crédito: Porto de Aarhus

O que é que se segue?

A sua última viagem a bordo do MV Milan Maersk atravessou o Oceano Índico até ao Mar Vermelho, atravessou o Canal do Suez, entrou no Mediterrâneo, subiu o Canal da Mancha, chegou à Alemanha e, finalmente, à Dinamarca.

"Ainda não processei o facto de este projeto ter terminado. Dizem que se quisermos incorporar um novo hábito na vida, temos de o repetir durante 30 dias. Estou a fazer isto há mais de 3.500 dias. Por isso, é assim que eu sou agora", considera Pedersen.

Depois de ter tido tempo para descansar e recuperar, Pedersen planeia trocar a sua vida de viagens perpétuas e avançar de outras formas.

Para começar, espera passar mais tempo com a sua mulher e começar uma família juntos.

"Temos muitas coisas para celebrar. Enquanto eu estava a viajar, ela realizou tantas coisas - licenciou-se em medicina, terminou o doutoramento, começou a trabalhar numa empresa farmacêutica, foi promovida, completou dois Ironman [triatlos] completos... é uma super mulher."

Ao iniciar um novo capítulo, Pedersen está também a trabalhar com o realizador canadiano Mike Douglas para concluir "The Impossible Journey", um documentário sobre o projeto, e planeia escrever um livro sobre a viagem.

Olhando para o futuro, espera canalizar as suas experiências em palestras - uma competência que aperfeiçoou nos últimos dez anos.

"Apercebi-me de que não me sentia à vontade para subir a um palco quando saí de casa. Mas agora, consigo subir a um palco em frente a 300 pessoas a sorrir", diz.

"A viagem ajudou-me a identificar os meus pontos fortes - e o contacto com as pessoas é um deles. Espero que, através de palestras, possa ganhar a vida fazendo as pessoas rir, aprender e inspirando-as a nunca desistir."

Continue a ler esta notícia

Relacionados