Eis os Zillennials: conheça a mais recente microgeração - TVI

Eis os Zillennials: conheça a mais recente microgeração

  • CNN
  • Terry Ward
  • 14 mai 2023, 16:00
Juliana Olarte

Quando Juliana Olarte (na foto) ouviu pela primeira vez o termo “zillennial” na faculdade, sentiu que ele a descrevia.

Houve uma altura em que Juliana Olarte, uma publicitária de viagens de 26 anos que vive em Nova Iorque, nos EUA, não conseguia perceber onde se encaixava do ponto de vista geracional.

A sua irmã da Geração Z, de 16 anos, às vezes chama Olarte de “cheugy”, disse ela. O termo é usado pela Geração Z para se referir a “coisas da geração millennial que não são nada fixes ou até um pouco embaraçosas”, explica Olarte.

“A minha irmã vê-me como uma jovem millennial, e os millennials vêem-me como a Geração Z”, conta.

O termo millennial (também conhecido como Geração Y) refere-se a qualquer pessoa nascida entre 1981 e 1996, e a Geração Z refere-se a qualquer pessoa nascida entre 1997 e 2012, de acordo com o Pew Research Center.

Na margem desfocada entre as duas gerações, a Geração Y e a Z, vivem os zillennials.

“Quando ouvi pela primeira vez o termo zillennial, na faculdade, pensei: 'Sou eu'”, identifica-se Olarte.

Não está familiarizado com o termo? Trata-se de um pequeno grupo.

"Os zillennials referem-se a um pequeno grupo nascido entre o início da década de 1990 e o início da década de 2000", diz Deborah Carr, professora de sociologia e diretora do Centro de Inovação em Ciências Sociais da Universidade de Boston. “Eles estão no limiar da Geração Z e da geração do milénio, daí o rótulo de zillennial.”

Esta microgeração, vagamente definida como estando entre o início e meados dos 20 anos, enfrentou e superou muitas adversidades nas suas vidas relativamente curtas, explica Carr por correio eletrónico.

“Eram bebés e crianças quando se deu o 11 de Setembro e não conhecem a vida antes dos controlos de segurança nos aeroportos, do terrorismo doméstico desenfreado e de outras ameaças assustadoras”, afirma. “Frequentaram a faculdade durante a pandemia e perderam importantes marcadores sociais.”

Os zillennials nasceram aproximadamente entre 1992 e 2002, mas não há um ponto de corte consistente com o qual os especialistas concordem, explica Carr.

No entanto, pergunte a um zillennial e ele dir-lhe-á quem é.

A irmã de Olarte e outros membros da "Geração Z cresceram com um telemóvel na mão e com as redes sociais - não perderam nada”, disse Olarte. Uma década antes, “tínhamos o iPod Touch para descarregar música online e usávamos conversores de YouTube para MP3”.

A tecnologia divide muitas vezes as gerações

As diferentes formas como as gerações crescem e utilizam a tecnologia são um forte delineador na definição das gerações.

Os Zillennials dividem as gerações dos millennials, que são considerados pioneiros digitais, e da Geração Z, que são considerados nativos digitais que nunca conheceram a vida antes dos ecrãs.

“Crescemos com a tecnologia toda a nossa vida, mas não somos dançarinos de TikTok como a Geração Z, mas também não estávamos no MySpace como os millennials”, diz Sabrina Grimaldi, de 23 anos. Em 2021, lançou o Zillennial Zine, um site maioritariamente online para a sua microgeração.

Grimaldi tem um irmão mais novo que é da Geração Z e um irmão mais velho que é da geração millennial. “Toda a minha vida me disseram que sou uma millennial ou uma nova geração Z. Relaciono-me realmente com ambas, mas também não me identifico de todo”, afirma.

Os artigos mais populares do seu site abordaram tópicos como o que vestir nos concertos de Harry Styles e Taylor Swift; “os melhores jogos do Nintendo Switch”; e receitas inspiradas na tendência no TikTok do “refrigerante sujo de Utah”, que envolve derramar natas no refrigerante, disse Grimaldi.

Entre as celebridades que ela considera parte de seu grupo zillennial estão Zendaya e a cantora e compositora americana Sabrina Carpenter.

“Somos uma espécie de terreno estranho e intermédio de que ninguém fala, que também é jovem e está a descobrir coisas, no início das carreiras e a descobrir o mundo como adultos”, diz ela. “A coisa mais incompreendida sobre nós é provavelmente a nossa existência”.

Afinal, porque é que rotulamos as gerações?

Além de uma relação partilhada com a tecnologia, os membros de uma geração partilham frequentemente experiências de vida cruciais, afirma Carr.

Para a “Grande Geração”, isso inclui o facto de terem sido chamados a servir durante a Segunda Guerra Mundial. Para os “baby boomers”, o facto de terem crescido juntos como jovens adultos na tumultuosa década de 1960 é um ponto em comum. A geração X nasceu depois dos “baby boomers”, entre o início dos anos 1960 e o final dos anos 1970.

A Geração Z frequentou o ensino secundário durante a pandemia e perdeu os principais marcos da juventude. Para os americanos, isso pode ser o baile de finalistas e as tradicionais festas de formatura.

“Algumas gerações rejeitam os rótulos que lhes são atribuídos por outros e algumas gerações adotam o nome se sentirem que este se adequa a elas e aos seus valores ou diferenças”, afirma Jason Dorsey, investigador de gerações e presidente do Center for Generational Kinetics, uma empresa de investigação geracional.

“Descobrimos que os zillennials muitas vezes se afastam dos títulos negativos dos millennials, que estão a tentar evitar ou replicar, como por exemplo as histórias virais sobre agirem como adultos ou terem expectativas excessivamente altas”, afirma por e-mail, observando que os zillennials também se afastam dos adolescentes e das tendências adolescentes que parecem demasiado juvenis.

Alguns millennials também evitam o rótulo que lhes foi atribuído por considerarem que ele tem uma conotação negativa e os desvaloriza, afirma Dorsey.

“De facto, contrariamente a muitos memes populares de que os millennials não trabalham, eles são muitas vezes a maior geração na força de trabalho de uma empresa e frequentemente as maiores gerações de gestores”, afirma.

Será que não nos podemos dar todos bem?

Embora os zillennials sintam muitas vezes que não se enquadram nem na geração Z nem na geração millennial, Dorsey afirma que a zona intermédia que ocupam tem as suas próprias vantagens.

“No nosso centro de investigação, vimos que os híbridos geracionais como os zillennials acabam muitas vezes por ter uma vantagem, porque isso tende a torná-los mais conscientes sobre as gerações anteriores e as posteriores à sua”, afirmou.

A investigação da sua empresa mostrou que a Geração Z está mais ligada a causas sociais do que os millennials, sendo que os zillennials estão igualmente mais interessados do que os millennials no que diz respeito a questões sociais.

As pessoas da Geração Z “preocupam-se muito com o ambiente, tentando reduzir as suas pegadas de carbono e reduzir os resíduos de plástico”, afirma Grimaldi.

Desde tenra idade, os zillennials aprenderam os efeitos das alterações climáticas, sublinha Carr. “Eles estão muito conscientes das ameaças ao planeta, mas também sabem que podem desempenhar um papel importante na redução da sua pegada de carbono (pensem em Greta Thunberg)”, disse Carr.

Mas os estereótipos que a sociedade cria para as gerações são apenas estereótipos, realça.

“Temos de nos lembrar que todas as gerações de jovens têm as suas próprias dificuldades e que estão a lidar o melhor que podem com o mundo que as gerações passadas criaram para eles”, afirmou.

Philip Cohen, professor de sociologia na Universidade de Maryland, considera que os rótulos geracionais não fazem sentido.

“Os marketeers e os influencers vão querer ser os primeiros a nomear uma “geração' ou 'microgeração' para obter cliques e seguidores”, escreve Cohen por correio electrónico. “Mas não faz sentido fazê-lo antes de sabermos o que estamos a estudar e porquê.”

“As ciências sociais não prestam muita atenção ao discurso sobre as 'gerações' porque é sobretudo um discurso superficial”, defende.

Mas tente dizer isso a um zillennial.

Grimaldi considera que cabe a cada geração unir-se para apoiar o próximo grupo de pessoas a crescer na sociedade depois dela - para ajudar a garantir um futuro melhor para todos. E a sua geração, segundo ela, já está a fazer isso.

“Sempre que surge uma nova geração, há uma discussão sobre quem não presta e porque não presta, e penso que, como zillennials, estamos a tentar parar com isso tanto quanto possível”, afirma Grimaldi. “Não temos de odiar todas as novas gerações”.

“Estamos todos a criar coletivamente estas novas gerações”, diz ela. “Vamos concentrar-nos em construir um futuro melhor juntos.”

Continue a ler esta notícia