Carlos pode não sobreviver à prisão

15 jul 2020 00:00

Sandra (Marta Faial) acha que Carla (Ana Sofia Martins) não está habituada a ser bem tratada e que, por isso, não sabe como lidar com Nuno. Isabela (Inês Herédia) indica que seria uma pena se eles não ficassem juntos. Sandra, animada, tira fotografias a Carla e a Nuno com inegável cumplicidade. Isabela assiste à sessão fotográfica, deliciada.

Gouveia diz a Lucas que não existe nenhuma falha no contrato com a Cruzeiro do Sul e que todos os trabalhadores estão protegidos, elogia a gestão de Lucas, que continua desconfiado.

João destapa a queimadura. Maria apercebe-se e ele conta que foi um acidente.

Maria vai ter com Lucas e pergunta com quem é que Vitória vai ficar em Lisboa.

Vitória acorda com dores da pancada que levou, e continua a tentar soltar-se.

Lucas indica que não sabe e Maria disfarça, dizendo que são só coisas da cabeça dela, mas fica preocupada.

Alfredo agradece a presença de Joana no café, era para ela que queria cantar. Joana conforta-o, revela que o filho anda revoltado com o mundo por culpa dela, conta-lhe que foi violada por Bernardo e que Carlos é filho dele.

Carlos lava-se, enquanto recorda as palavras de Catarina. Cheirinhos observa-o, escondido, e faz sinal a alguém para avançar. Carlos seca-se, quando é surpreendido por um homem a poucos centímetros de si, e percebe o risco que corre.

Joana explica a Alfredo que só manteve segredo porque tudo o que queria era que Alfredo ficasse do lado deles e sabia que ia ser o melhor pai. Alfredo, desconsolado, não consegue aceitar que Joana tenha guardado este segredo tantos anos e continuar a servir esta família.

Carlos (João Vicente) defende-se, consegue atirar o pente para longe e percebe que é Cheirinhos quem lhe quer fazer mal.

Lucas (Filipe Vargas) aproxima-se de Alfredo (Luís Esparteiro) para conversar, e percebe que ele está devastado.

Catarina (Maria José Pascoal) chega a casa e percebe que Mateus (Pedro Sousa) não está. Marcos (Pedro Teixeira) pergunta à mãe o que se passou. Catarina conta que Mateus não atende o telemóvel, que já devia ter voltado a casa e que, por isso, vai ter de voltar lá para ver com os próprios olhos o que se passa.

Mateus continua a andar de um lado para o outro. Vitória olha-o fixamente, sabendo que isso lhe tira algum poder e deixa-se levar. Mateus, irritado, faz uma venda improvisada e lança Vitória ao chão.

Lucas encontra Alfredo a chorar e acaba por saber que Bernardo violou Joana (Marina Mota) e que, daí, nasceu Carlos.

Joana chora e acaricia o sofá como se fosse Alfredo. Maria entra, percebe que ela não está bem e retira-se.

Marcos e Catarina estão nervosos por Mateus não atender o telemóvel. Marcos recorda quando incentivou os irmãos a violarem Margarida. Catarina explode, e chama-o de cobarde por estar sempre à espera que alguém resolva os seus problemas.

Lucas não quer acreditar no que o pai fez, mas Alfredo defende que Joana não mente, mostra-se destroçado por não ser pai de Carlos e confirma que Catarina sabia de tudo.

Marcos e Catarina chegam a casa e percebem que Mateus ainda não regressou. Marcos espera que o irmão não tenha matado Vitória e Catarina manda-o ir à procura dele.

Carlos aborda Cheirinhos e pergunta-lhe quem o quer ver morto. Cheirinhos inventa uma desculpa e Carlos percebe que foram os Santa Cruz.

Catarina reza, recorda os momentos em que Bernardo a violava e a rejeição a João (Isaac Alfaiate) quando nasceu.

Carla (Ana Sofia Martins) abre a porta a Marcos, que está devastado e que implora para ver os filhos. Carla sublinha que ele está a transgredir as leis, e Marcos sai destroçado.

Catarina e João conversam, quando Lucas chega zangado e pergunta à mãe quando tencionava dizer que Carlos era filho de Bernardo porque violou Joana.

Vitória tenta soltar-se. Mateus aproxima-se e ela finge continuar desmaiada.

Catarina acusa Joana de se deixar galantear por Bernardo. Lucas mostra-se desiludido por ter um pai violador. João começa a chorar e quase revela a história de Margarida, mas Catarina antecipa-se para mantê-lo calado.

Carlos, atrás das grades, olha em todas as direções e teme pela sua vida.

João fica perturbado por ser filho de um violador, vai à gaveta e tira uns comprimidos, hesita em tomá-los, e deixa-se escorregar até ao chão... a chorar.