Dois às 10 - José Castelo Branco é confrontado com áudio de Betty

9 mai, 09:55
Dois às 10 - José Castelo Branco é confrontado com áudio de Betty - TVI

No «Dois às 10», José Castelo Branco foi confrontado com o áudio das declarações de Betty Grafstein acerca das alegadas agressões que sofreu, o socialite afirma ser a voz de Betty mas avança que é uma manipulação. Em entrevista a Cristina Ferreira e Cláudio Ramos, José Castelo Brancos esclareceu falsos rumores da relação com Pedro Pico acusando-o de ser um sociopata. José Castelo Branco assegura que está inocente e afirma que nunca foi violento com Betty, em 30 anos de união. Conhecemos a história de vida de Sérgio Gomes. O nosso convidado diz que morreu a andar e voltou a nascer numa cadeira de rodas. Conta que sofreu um acidente de moto aos 17 anos. No início não deu conta da gravidade da situação e só, dias depois, ficou a saber que estava condenado a viver numa cadeira de rodas. Revela que não foi fácil aceitar a sua condição, só quando entrou em reabilitação percebeu que, ainda assim, podia ser independente. Sérgio conta que a vida tem sido de luta e nunca baixou os braços. Foi pai de Lara, através de inseminação artificial. Foi ele quem cuidou da filha, quando a mãe desta estava a trabalhar. Lara diz que nasceu a ver o pai numa cadeira de rodas e nunca deixaram de fazer atividades juntos. Aliás, diz sentir orgulho no percurso desportivo do pai. Sérgio joga basquetebol, já fez andebol, atletismo e boxe. Mas a sua paixão está no ciclismo onde sonha ser atleta paraolímpico.  Conhecemos a história de Sofia Ferreira. Sofia conta que teve um AVC aos 23 anos e que nada fazia prever tal episódio. Conta que estava com o namorado quando teve uma dor forte na cabeça e quando mete a mão à cabeça, o braço caiu. Ambos perceberam que estava a sofrer um episódio de AVC, no entanto não exprimiram para não ficar mais assustados. Sofia acredita que a causa se deveu a um conjunto de fatores, stress (porque estava a termina a tese), pressão que sentia em ter boa nota e a uma veia malformada. O AVC afetou-lhe o lado esquerdo e teve de aprender a fazer tudo: a vestir, calcar, tomar banho e comer… temeu pela vida, principalmente tinha receio de não recuperar.