Carolina cortava-se porque a dor a aliviava

17 set 2020 17:06

No «Você na TV», recebemos Carolina uma jovem que durante vários anos recorria diariamente à automutilação.

Conhecemos a história de Carolina Romano Ferreira, uma jovem que luta contra a automutilação há seis anos. A convidada conversa com Manuel Luís Goucha sobre a sua infância e expõe que se cortou durante vários anos para se sentir melhor: recorria a isso para aliviar a dor e a exaustão que sentia na mente. A jovem admite que após o divórcio dos pais, aos 3 anos de idade, ficou a viver com os avós paternos, onde passou toda a sua infância e adolescência. A mãe de Carolina foi viver para Lisboa quando se separou e encontravam-se aos fins de semana. Já o pai vivia perto de Carolina e depois do trabalho ia sempre visitá-la. Na altura que o pai descobriu que algo não estava bem com a filha, Carolina foi encaminhada para o psiquiatra, mas admite que depois das consultas cortava-se bastante porque associava o tratamento que estava a fazer a algo onde iria sofrer mais, dado que iria ser confrontada com a sua dor.

Manuel Luís Goucha convidou também Ana Silvestre, psicóloga de Carolina, que explica que a automutilação é uma perturbação silenciosa e difícil de identificar. Ana Silvestre diz que é muito difícil sinalizar este tipo de problemas, porque as pessoas conseguem esconder bem o que se passa, não dando qualquer tipo de sinal. Ana Silvestre admite que, atualmente, Carolina está «maravilhosa», e já se encontra na fase de querer ajudar outras pessoas que estão com a mesmas perturbações por que já passou, mas diz que é um processo demorado. Carolina continua semanalmente o seu processo terapêutico, cuidando do lado emocional. Foi nesse sentido que desenvolveram um grupo terapêutico, para poderem ajudar outros jovens, tendo como testemunho a história de Carolina.