Orlando ficou com 70% do corpo queimado numa explosão por fuga de gás

28 jul 2020 17:23

No «Você na TV», falamos com este homem.

Depois de reabrir o restaurante de família que estava fechado, em fevereiro de 2012, e de estar meses a trabalhar sem folgar, Orlando preparava-se, então, para deixar o Sabores do Curral nas mãos do irmão e tirar uns dias de descanso: «No dia 20 de julho fechámos o restaurante por volta das 23h e descemos para a casa que tínhamos por baixo do restaurante”. Orlando, a mulher, o filho e o sogro estavam a viver aí, num T2, porque a casa deles, no Caneto, estava em obras. “Quando chegámos ainda estivemos na conversa até que nos fomos deitar. No dia seguinte estaria de folga e, por isso, por volta da uma da manhã lembrei-me que tinha de ir ao restaurante tirar alguma carne para deixar ao meu irmão que ficaria no restaurante», e foi aí que tudo aconteceu: «Quando entrei estava um detetor de fuga de gás a apitar… a minha ideia foi perceber o que se estava a passar. Olhei para as torneirinhas da passagem do gás e estava tudo fechado. Entretanto comecei a sentir o cheiro a gás e quando me desloquei para a zona de stock, abri a porta e deu-se uma explosão. Fui logo projetado e comecei a gritar por ajuda…».

Entretanto, chegaram os bombeiros que o levaram para o Hospital. Durante o trajeto foram deitando soro na pele ferida de Orlando que havia ficado queimada da explosão – «sentia tudo a arder», conta. Chegaram a parar a meio do caminho para lhe dar morfina. Quando finalmente chegou ao Hospital foi um alívio. Depois de conversar com alguns médicos e de ser avaliado, Orlando soube que tinha ficado com cerca de 70% do corpo queimado, tendo queimaduras de 2º e 3º grau. As pernas acabaram por ser a zona mais afetada do corpo porque na altura da explosão Orlando estava de calções, mas as mãos e as orelhas também sofreram mazelas.

O espaço, que sempre pertenceu à família e que já havia sido uma tasquinha na década de 80 chegou a estar alugado, até que Orlando quis retomar o negócio juntamente com o irmão (sócio-gerente) e a mulher, Carolina Freitas.