06 abr 2018

António Teixeira comenta que estes casos são raros, uma vez que todas as mortes são justificadas com um motivo. Aníbal Pinto responde que estes enganos não podem ser perdoados.