Jorge Simão: «Daqui a uns meses gostava de dizer que o fator casa foi fundamental» - TVI

Jorge Simão: «Daqui a uns meses gostava de dizer que o fator casa foi fundamental»

Jorge Simão (Santa Clara)

Treinador do Santa Clara mantém de pé o objetivo dos 22 pontos na segunda volta antes da receção ao Boavista

Relacionados

Jorge Simão, treinador do Santa Clara, pediu aos jogadores e aos adeptos para darem uma «resposta» no encontro frente ao Boavista, este sábado (15h30), reiterando o objetivo de conquistar 22 pontos na segunda volta da Liga.

«É um jogo em que gostava de sentir por parte dos jogadores uma resposta. Não que não tenhamos feito uma boa exibição em alguns momentos do jogo [passado], mas uma resposta que se traduza no resultado», afirmou o treinador.

Jorge Simão falava em conferência de imprensa realizada no estádio de São Miguel, na véspera da receção ao Boavista, em jogo da 19.ª jornada da I Liga.

O treinador do conjunto açoriano, que vem de uma derrota com o Casa Pia (1-2), apelou também a uma «resposta» dos adeptos, realçando que o apoio das bancadas é uma «ajuda extra» para atingir «melhores resultados».

«Queria ver essa resposta também da parte dos nossos adeptos. Porque daqui a uns meses, quando fizermos o balanço do campeonato, gostava de dizer que o fator casa foi fundamental para nós. Essa força que pode vir de fora é uma força que sentimos dentro do campo», frisou.

Questionado se o próximo jogo é importante para o Santa Clara não cair nos lugares de despromoção, Jorge Simão reiterou que o objetivo do clube é conquistar 22 pontos na segunda volta do campeonato, uma meta que «continua em aberto».

«Eu não quero saber e nem me venham falar de coisas que estão para trás, de jogos que perdemos e de que coisas que não conquistámos. O meu foco é mobilizar todos os jogadores para o que está para vir», vincou.

Sobre o próximo adversário, Jorge Simão destacou o crescimento do Boavista, que está «tranquilo» na tabela classificativa.

«É uma equipa que tem crescido nas suas dinâmicas de jogo. É uma equipa com maior variabilidade tática. Obviamente que, tendo isso em conta, preparamo-nos para enfrentar o adversário. Estamos preparados», reforçou.

A propósito das movimentações no mercado de transferências de janeiro, o técnico considerou que os novos jogadores «vieram com o intuito de ajudar a equipa», mas alertou que «depende deles serem reforços ou não».

«Temos muita qualidade individual. Acho que é minha função que essa qualidade se traduza em performances coletivas para que a equipa fique muito mais forte quando todos os jogadores se conseguirem expressar dentro do campo com a qualidade individual que têm», destacou.

No mercado de transferências de inverno, os açorianos asseguraram as contratações de Kento Misao (ex-Kashima Antlers, do Japão), Marcos Diaz (proveniente dos argentinos do Huracán), Walter González (emprestado pelo Olímpia, do Paraguai), Ygor Nogueira (ex-Mazatlán do México) e Nanu (emprestado pelo FC Porto).

No sentido inverso, abandonaram o clube Anderson Carvalho, Andrezinho, João Marcos, Rodrigo Valente e Tassano.

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados