Quase 3.200 jovens licenciados candidataram-se à segunda edição do programa de estágios na administração pública, o EstágiAP XXI, e foram colocados 1.119, disse fonte oficial do Ministério da Presidência à Lusa.

A lista de candidatos colocados e não colocados foi publicada na quarta-feira e, segundo o gabinete da ministra Mariana Vieira da Silva, que tutela a administração pública, foram recebidas 3.192 candidaturas e colocados 1.119 jovens, que agora terão de aceitar ou recusar a colocação até dia 2 de janeiro.

"A não aceitação, expressa ou tácita, do estágio proposto é considerada como desistência do programa de estágios", pode ler-se numa nota publicada na página da Direção-Geral do Emprego Público (DGAEP).

Após a aceitação do estágio, o candidato será contactado pela entidade promotora, com vista à celebração do contrato de estágio, que deverá ser assinado, no prazo máximo de 10 dias úteis, iniciando-se o estágio nos 10 dias úteis seguintes.

A segunda edição do EstágiAP XXI conta com um total de 1.658 vagas, segundo o Ministério da Presidência.

O programa arrancou com mil vagas, financiadas pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), a que acrescem as não preenchidas na primeira edição (158), e ainda até 500 vagas financiadas por outras fontes de financiamento.

O programa EstágiAP XXI é financiado pelo PRR ao abrigo da reforma “Capacitação da AP – formação de trabalhadores e gestão do futuro”, um concurso com uma dotação de 12,3 milhões de euros.

Os estágios têm a duração de nove meses e destinam-se a jovens licenciados até aos 30 anos, ou até aos 35 anos com deficiência e/ou incapacidade, que se encontrem à procura do primeiro emprego ou de novo emprego correspondente à sua área de formação.

A bolsa de estágio corresponde à primeira posição remuneratória da carreira de técnico superior e nível remuneratório 11 da Tabela Remuneratória Única (1.111,72 euros em 2023) e os estagiários têm também direito a subsídio de refeição.

/ WL