Depois de um grupo de centenas de manifestantes pró-Bolsonaro ter invadido as sedes dos três poderes em Brasília, os membros do governo de Lula da Silva questionaram a atuação "amena" do então secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, para impedir a ação dos manifestantes. E cerca de uma hora depois da invasão, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, determinou a exoneração de Anderson Torres, avança a CNN Brasil. 

Paralelamente a Advocacia Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal a prisão de todos os envolvidos, incluindo a do agora ex-secretário de Segurança.

Anderson Torres foi ministro da Justiça e Segurança Pública de Jair Bolsonaro de 2021 a 2022. Antes, foi secretário de Segurança Pública de Ibaneis Rocha (MDB) no Distrito Federal. Com a derrota de Bolsonaro nas urnas no ano passado, Torres foi anunciado para ser novamente secretário de Segurança Pública do DF.

A AGU pediu também a imediata desocupação de todos os prédios públicos em Brasília e a dissolução dos atos antidemocráticos realizados nas imediações de quartéis e outras unidades militares. requer que, para tais medidas, sejam utilizadas todas as Forças de Segurança Pública do Distrito Federal e dos estados.

CNN Portugal / RL