O Ministério da Saúde informou esta quarta-feira que Portugal irá manter as medidas de controlo da covid-19 atualmente em vigor, apesar do aumento do número de casos na China, e indicando que está a acompanhar a situação.

Em resposta escrita à agência Lusa a propósito do aumento das infeções por SARS-CoV-2 na China, o Ministério da Saúde assegurou que as autoridades portuguesas estão a acompanhar a situação epidemiológica “em articulação com os parceiros europeus e organismos internacionais, nomeadamente no âmbito da atividade do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças”.

Ainda assim, e ao contrário de alguns países, Portugal não prevê o reforço das medidas de controlo e mitigação da pandemia.

“Neste momento, e de acordo com a informação disponível, não estão previstas alterações nos procedimentos ou medidas adicionais, mantendo-se em curso a vigilância genómica do SARS-CoV-2 através do Laboratório Nacional de Referência”, disse o Ministério da Saúde.

O fim abrupto da política chinesa de "zero covid" está a suscitar preocupações em vários países, incluindo os Estados Unidos, que estão a considerar restrições de entrada aos viajantes chineses, uma vez que a China enfrenta atualmente a maior vaga de infeções do mundo, amplificada pelo aparecimento de novas variantes.

As autoridades chinesas puseram termo à maioria das medidas contra a covid-19 sem aviso prévio a 7 de dezembro, no meio de crescente exasperação pública e de enorme impacto na economia após três anos de restrições.

A falta de transparência em relação ao número de contágios, que as autoridades deixaram de publicar diariamente e dizem ser difícil de contabilizar já que os testes deixaram de ser obrigatórios, causa também apreensão.

Perante o aumento das infeções, o governo italiano admitiu a possibilidade tornar obrigatório o teste à covid-19 para os viajantes oriundos da China, medida que já foi implementada na região da Lombardia, onde se situa o aeroporto internacional de Malpensa, em Milão.

França também anunciou hoje que está pronta para "estudar todas as medidas úteis" e que está a "acompanhar com muito cuidado a evolução da situação na China", face a uma explosão de casos de covid-19.

O Japão também anunciou esta quarta-feira que vai restabelecer os testes obrigatórios para viajantes oriundos da China continental a partir desta sexta-feira.

A ilha de Taiwan, que a China afirma como parte do seu território, também anunciou que vai realizar controlos em viajantes que cheguem do território continental chinês.

/ DCT