"A sua cabeça baixou e depois voltou a levantar-se". Donald Trump adormeceu em tribunal ao segundo dia de julgamento? - TVI

"A sua cabeça baixou e depois voltou a levantar-se". Donald Trump adormeceu em tribunal ao segundo dia de julgamento?

  • CNN
  • Oliver Darcy
  • 16 abr, 23:41
Donald Trump em tribunal (Justin Lane/Pool Photo via AP)

Quando o primeiro julgamento criminal de um antigo presidente americano começou na segunda-feira, Maggie Haberman, do The New York Times, fez um relato impressionante da sala de audiências de Manhattan. Trump, segundo a jornalista, "pareceu adormecer algumas vezes", com a boca "a ficar frouxa e a cabeça caída sobre o peito".

Haberman, escusado será dizer, está numa classe à parte quando se trata de reportar sobre Trump. Quando relata notícias sobre o líder republicano, os leitores podem confiar. E a sua observação sobre o comportamento aparentemente pouco enérgico de Trump foi corroborada por outros repórteres que confirmaram que os olhos do arguido estiveram fechados durante longos períodos de tempo.

"Parecia que estava a adormecer e, a certa altura, num sinal bastante real de que estava a adormecer, a sua cabeça baixou e depois voltou a levantar-se", disse Susanne Craig, do NYT, na MSNBC.

Mas a campanha de Trump negou mais tarde que o antigo presidente tivesse adormecido durante a audiência - um problema óbvio para um candidato que fez do apelido "Sleepy Joe" uma linha de ataque chave - alegando que a sesta a meio do julgamento nunca aconteceu.

"Isto é 100% Fake News vindo de 'jornalistas' que nem sequer estavam na sala de audiências", insistiu mais tarde um porta-voz da campanha de Trump.

Neste caso específico, o que está em jogo não é muito importante. No entanto, o episódio sublinha o vazio de informação que foi gerado pela falta de transparência no caso. A campanha de Trump, ao negar energicamente os relatos de Haberman e de outros repórteres, rapidamente criou duas versões dos acontecimentos em que as pessoas em casa podiam escolher acreditar: Trump ou Haberman. E é seguro apostar que grande parte do país depositaria (erradamente) a sua confiança em Trump, apesar da sua propensão para mentir.

O público não foi autorizado a ver a audiência com os seus próprios olhos, uma vez que as câmaras foram impedidas de entrar na sala de audiências, de acordo com uma regra do tribunal do estado de Nova Iorque.

Em vez disso, os americanos, incapazes de assistir ao desenrolar do processo histórico, não terão outra alternativa senão confiar em Haberman e num pequeno grupo de repórteres selecionados para se sentarem dentro da sala de audiências e observarem o julgamento de alto risco.

Embora os fotógrafos só sejam autorizados a entrar brevemente na sala de audiências no início do dia, não haverá provas inegáveis de um lado ou de outro. As únicas imagens do interior da sala de audiências serão fornecidas por um desenhador encarregado de retratar a gama de expressões e emoções durante o julgamento sem precedentes.

A ausência de câmaras na sala de audiências de Manhattan não é novidade. Os tribunais federais e estaduais de Nova Iorque há muito que proíbem a filmagem dos processos, para grande desgosto das organizações noticiosas e dos grupos de defesa que têm feito pressão para que o sistema judicial aumente a transparência. Uma das preocupações tem sido a de que, ao acolher o público na sala de audiências, os processos se transformem em espectáculos públicos, semelhantes ao julgamento de O.J. Simpson em meados da década de 1990. Mas esse argumento tem muitas lacunas. E, dada a natureza histórica dos julgamentos de Trump, com um antigo presidente a enfrentar dezenas de acusações criminais, as organizações noticiosas pediram que fossem concedidas isenções. Mas, até à data, não foi possível.

Consequentemente, um número restrito de repórteres terá de ser os olhos e os ouvidos do país, fornecendo representações exatas do que se passou à porta fechada. Embora alguns jornalistas tenham acesso à sala de audiências, a maior parte dos outros está estacionada numa sala de espera, onde podem assistir a um fluxo de vídeo dos procedimentos e apresentar despachos.

Esta configuração garante efetivamente que não haverá uma realidade partilhada do caso sem precedentes, uma vez que os membros do público terão as notícias do julgamento filtradas através da lente de qualquer meio de comunicação social que escolham consumir. É neste ambiente mediático fragmentado que Trump também prospera, uma vez que tem uma poderosa máquina de propaganda à sua disposição, com meios de comunicação como a Fox News dispostos a cumprir as suas ordens, por mais desonestas que sejam.

Continue a ler esta notícia

Mais Vistos