Muito se tem especulado nos últimos meses sobre o estado de saúde de Vladimir Putin, havendo mesmo quem justifique a invasão russa da Ucrânia como o seu último objetivo a cumprir. Desta vez, foi a Ucrânia a adensar o mistério em torno do presidente russo, com o chefe dos serviços secretos militares, Kyrylo Budanov, a afirmar que Putin luta contra um cancro há muito tempo e que irá morrer "em breve".

Os analistas políticos e militares não têm dúvidas de que esta declaração mais não é do que "propaganda" que tem como propósito "fragilizar" a imagem de Vladimir Putin e, como consequência, o regime russo. 

"É uma narrativa para nos ir entretendo. Há aqui uma intenção de desumanizar a outra parte com coisas que sabem que são mentira. Nós podemos não ter nenhuma simpatia pelo sr. Putin, mas é preciso ter rigor", defende o major-general Agostinho Costa.

Azeredo Lopes também acredita que esta declaração não passa de "propaganda" para atingir "a dimensão carismática de Putin": "Goste-se ou não dele, é um líder que não deixa ninguém indiferente."

"Putin cultivou sempre uma imagem de força absoluta, todos já vimos as imagens dele em tronco nu em cima de um cavalo, como especialista de artes marciais, etc. No leste da Europa, tudo isso é uma representação de virilidade, de poder", sustenta o comentador da CNN Portugal.

Putin passeia de cavalo em tronco nu durante umas férias na Sibéria em 2009 (Alexei Druzhinin/AP)  

Daí que declarações como estas que põem em causa a saúde e capacidade de Vladimir Putin sejam "tremendas do ponto de vista psicológico" para o próprio chefe de Estado, tornando-o "enfraquecido", e, por consequência, fragilizam o próprio poder russo.

Informação pode ter chegado por "agentes disfarçados"

Também o major-general Isidro de Morais Pereira desvaloriza estas afirmações, mas não exclui a hipótese de essa informação ter chegado à Ucrânia através da "human intelligence", isto é, "agentes disfarçados".

O especialista militar confirma que os serviços secretos militares ucranianos têm meios que lhes permitem ter acesso a essa informação, mas que há formas menos arriscadas de aceder a este tipo de dados confidenciais. "Num mundo cada vez mais tecnológico, há muita informação que é obtida através da escuta de comunicações no ciberespaço e também da chamada 'imagery intelligence', através dos satélites. É sabido que os EUA têm uma rede de satélite que consegue identificar pessoas pelo rosto no meio da multidão. O nível de resolução das câmaras que estão acopladas a esse tipo de satélite é extraordinário. Portanto, muita informação chega por aí", explica. 

Mas este avanço tecnológico não substituiu "as formas mais tradicionais de obter informação" dos serviços secretos, nomeadamente os agentes infiltrados ou "human intelligence". "Continua a ser uma doutrina e é, aliás, muito usada pelo MI5 [serviço de inteligência britânico]", destaca, assinalando esta opção como a mais provável no caso.

O major-general sublinha, por isso, que há duas hipóteses para esta informação ter vindo a público: "Ou isto foi uma jogada de propaganda, uma operação psicológica para atingir o próprio Putin, ou, a ser verdade, a fonte próxima a que Budanov atribuiu a informação são agentes infiltrados que eles têm na Rússia." Isidro de Morais Pereira sublinha mesmo que ucranianos e russos são muito parecidos, pelo que "os russos não conseguem perceber quem é quem".

Por sua vez, o major-general Agostinho Costa argumenta que "a Ucrânia é assessorada pelos serviços secretos britânicos", uma vez que "o estilo" de informação "é o mesmo".

"Ainda vão dizer o mesmo que os ingleses disseram em relação aos kosovares: que os soldados sérvios bebiam o sangue dos kosovares. Dentro de algum tempo, vamos ouvir que os russos bebem o sangue dos ucranianos", diz o especialista, referindo-se à tensão entre o Kosovo e a Sérvia, que esta última nunca reconheceu a secessão unilateral do primeiro declarada há mais de 18 anos.

Os rumores de uma possível doença de Vladimir Putin surgiram ainda antes da invasão da Ucrânia, no início da pandemia de covid-19, quando o presidente russo deixou de fazer tantas aparições em público. Mas a verdade é que ainda no mês passado o chefe de Estado russo visitou a Bielorrússia pela primeira desde o início da guerra para se encontrar com Alexander Lukashenko

Alexander Lukashenko e Vladimir Putin reúnem-se em Minsk (Andrey Stasevich/AP)

Apesar dos rumores que têm surgido nos últimos meses, tanto o Kremlin como os Estados Unidos já vieram a público negar que Putin esteja com qualquer problema de saúde. Em maio do ano passado, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa, Sergey Lavrov, negou os rumores que surgiram na altura, também na sequência de uma entrevista de Kyrylo Budanov à Sky News, na qual o chefe da inteligência ucraniana adiantou que Putin estava "numa condição física e psicológica muito má". 

Na mesma altura, o diretor da CIA também veio a público garantir que o presidente da Rússia até está “saudável demais”, contrariando assim a informação avançada num relatório norte-americano, que relatava tratamentos em abril de 2022.

Beatriz Céu