A tendência "mob wives" do TikTok está a alimentar o ressurgimento das peles - TVI

A tendência "mob wives" do TikTok está a alimentar o ressurgimento das peles

  • CNN
  • Yola Mzizi
  • 2 fev, 09:00
Mob Wives

(nota do editor: este artigo foi originalmente publicado pelo The Business of Fashion, um parceiro editorial da CNN Style)


A Edwards-Lowell Furs não esperava que 2023 fosse um bom ano.

Antecipando a proibição da venda de novas peles que entrou em vigor no seu estado natal, a Califórnia, em janeiro de 2023, a empresa tinha feito a transição do seu negócio da venda de peles para o seu armazenamento. Além disso, segundo a Edwards-Lowell Furs, a diminuição das vendas - cerca de 50% em relação ao ano anterior - obrigou-a a vender o seu edifício em Beverly Hills.

Mas foi então que o proprietário Paul Matsumoto estabeleceu contacto com Natalie Bloomingdale, fundadora e diretora executiva da empresa de venda de peles vintage The Sil, e os dois juntaram-se para organizar um leilão online de casacos usados da Edwards-Lowell Furs' no Instagram da The Sil.

Dua Lipa, vista aqui com um casaco de peles artificiais em Nova Iorque, em novembro de 2023, é uma das adeptas modernas do look. Raymond Hall/GC Images/Getty Images

"Vendemos o primeiro lote de peles numa questão de minutos", disse Bloomingdale. Atualmente, as duas lojas realizam saldos três vezes por mês e Matsumoto afirma que isso deu um novo fôlego ao negócio.

Este ano pode trazer ainda mais procura devido à explosão da estética das "mob wives" no TikTok. Caracterizada por estampas de animais, jóias de ouro pesadas, calças de couro brilhantes, cabelos perfeitamente penteados e um enorme casaco de peles, a tendência já acumulou mais de 160 milhões de visualizações na plataforma. O seu aparecimento foi impulsionado por vários fatores - o 25.º aniversário do êxito mafioso da HBO "Os Sopranos", o início de um inverno mais frio e um interesse crescente em peles entre os consumidores mais jovens.

É uma reviravolta em relação a alguns anos atrás, quando parecia que a trajetória das peles estava num declínio imparável. Desde o final da década de 2010, marcas e retalhistas como a Canada Goose, Gucci, Net-a-Porter, Versace, Prada, Neiman Marcus e Michael Kors anunciaram a sua intenção de eliminar gradualmente os produtos em pele. Em 2021, Israel tornou-se o primeiro país do mundo a proibir a venda de novas peles, enquanto Itália e Noruega anunciaram que iriam acabar com a criação de peles. Em 2021, o diretor executivo da Kering, François-Henri Pinault, afirmou que as peles "não têm lugar no luxo".

A partir da esquerda: a personalidade televisiva Angela Raiola em fevereiro de 2012; Drea de Matteo a interpretar Adriana La Cerva na 5ª temporada de The Sopranos e Victoria Gotti, irmã de John "Junior" Gotti, a sair do tribunal federal em Nova Iorque em novembro de 2009. Ray Tamarra/Getty Images; HBO/Everett Collection; Mary Altaffer/AP

Avançando rapidamente para 2024, o sentimento em torno das peles parece estar a mudar à medida que a estética da "mulher da máfia" aumenta a consciência do material entre uma nova geração de consumidores.

Mas este momento das peles é diferente do passado. Atualmente, são os retalhistas de segunda mão e de fast fashion que estão a colher os benefícios do momento viral das peles, assim como as startups de materiais alternativos e as marcas com ofertas de peles artificiais de boa qualidade.

Influência das "mob wives"

No TikTok, as tendências podem subir e descer numa questão de semanas, se não de dias, e "mob wife" não é exceção. Embora as pesquisas semanais tenham crescido 21,3% em relação ao ano anterior, a plataforma de análise de dados e de retalho Trendalytics prevê que esta moda seja de curta duração, com um período de cerca de seis meses.

"A mob wife é mais um reflexo da diminuição do significado das tendências e da estética", afirma Mandy Lee, analista de tendências e especialista em previsões. "Parece que estamos neste ciclo interminável de nostalgia por tendências que estavam enraizadas em subculturas, valores e contexto. Hoje, são literalmente fatos que as pessoas vestem e tiram todos os dias."

Antecipar e preparar-se para estes momentos virais pode ser um desafio para as marcas que ainda não têm produtos correspondentes e, como os consumidores inconstantes estão ansiosos por entrar no movimento, vender produtos num modelo de pré-encomenda não vai funcionar, diz Lee.

Desfile de alta costura da Fendi em Paris, em janeiro de 2024. Emmanuel Dunand/AFP/Getty Images

Mas as marcas que estão no sítio certo à hora certa podem esperar obter dividendos. No caso da tendência "mob wife", uma vez que muitas marcas de luxo se afastaram das peles, é mais provável que sejam os retalhistas de fast fashion ou de grandes superfícies a beneficiar. Um casaco de peles artificiais da Zara surgiu como um dos principais produtos que beneficiam da tendência, com as pesquisas e o interesse social neste casaco e em produtos semelhantes a registarem um aumento de 212,7% nas pesquisas e no buzz social em comparação com o ano passado, segundo a Trendalytics.

"Embora as peles tenham sido outrora sinónimo de luxo, as marcas de fast fashion estão bem posicionadas para este momento... vendendo em pontos de acessibilidade e como uma alternativa adequada", afirma Kayla Marci, analista sénior de retalho da Edited analytics.

Para aqueles que querem o verdadeiro negócio, o vintage é uma opção. No TikTok, os utilizadores encorajam a compra de peles em segunda mão em vez de novas, tornando este momento viral fundamental para os vendedores de peles vintage como The Sil ou mesmo The RealReal.

"As vendas explodiram", diz Matsumoto. "Nunca tínhamos vendido tantas peças de vestuário usadas".

O futuro das peles

A tendência da "mob wife" pode estar destinada a ter uma vida curta, mas o apetite por peles ou materiais semelhantes a peles irá provavelmente durar. No entanto, à medida que a popularidade das peles mudou, os valores dos consumidores em relação à sustentabilidade não mudaram, criando uma oportunidade para a próxima geração de startups de materiais, como a marca de peles à base de plantas BioFluff e a Spiber, uma empresa japonesa de biotecnologia que utiliza fibras à base de proteínas para criar alternativas às peles através de um processo semelhante ao da produção de cerveja. Nos próximos meses, a Spiber afirmou que irá estabelecer parcerias com uma série de marcas para desenvolver produtos de pele personalizados.

O estampado de leopardo é outro princípio fundamental do estilo "mob wife". Este look fez parte do desfile primavera-verão 2023 da Dolce & Gabbana em Milão. Victor Virgile/Gamma-Rapho/Getty Images

"Esperamos sublinhar que se pode ter as duas coisas", afirmou Callie Clayton, directora de relações com clientes globais da Spiber. "O aspeto e o toque da pele são possíveis sem a crueldade."

Ainda assim, os defensores dos direitos dos animais não estão satisfeitos com o ressurgimento do material, argumentando que, mesmo que seja obtido de forma sustentável - através de meios à base de plantas, por exemplo -, o aumento da visibilidade da pele irá inevitavelmente alimentar a procura da verdadeira.  PJ Smith, da Humane Society of the United States, tem esperança de que a legislação introduzida nos últimos anos seja suficientemente robusta para travar a procura.

"Já podemos ver o fim do túnel, a indústria de peles está a morrer graças a políticas como a proibição de peles", disse Smith numa entrevista ao Business of Fashion. "Tendências como estas podem levar a um aumento das primeiras vendas, mas não serão suficientes para inverter a trajetória da indústria."

(nota do editor: este artigo foi originalmente publicado pelo The Business of Fashion, um parceiro editorial da CNN Style)

Continue a ler esta notícia