Porque a Moldova teme ser o próximo alvo na lista de Putin - TVI

Porque a Moldova teme ser o próximo alvo na lista de Putin

  • CNN
  • Análise de Rob Picheta*
  • 27 fev 2023, 16:00
Várias casas foram danificadas na aldeia moldava de Naslavcea no mês passado, após um míssil russo intercetado pelas forças ucranianas ter atingido a parte norte da cidade, segundo as autoridades locais. Ministério dos Assuntos Internos da Moldova

Relacionados

As tensões estão a aumentar na Moldova, um pequeno país na fronteira sudoeste da Ucrânia, onde a Rússia foi acusada de preparar o terreno para um golpe que poderia arrastar a nação para a guerra de Putin.

A presidente da Moldova, Maia Sandu, acusou a Rússia de usar "sabotadores" disfarçados de civis para fomentar a agitação num período de instabilidade política, fazendo eco de avisos semelhantes do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Entretanto, o presidente russo, Vladimir Putin, acusou infundadamente Kiev de planear o ataque ao território pró-russo na Moldova, a Transnístria, onde Moscovo tem uma posição militar, aumentando o receio de estar a criar um pretexto para uma anexação ao estilo da Crimeia.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontrou-se com a homóloga Maia Sandu à margem da sua viagem a Varsóvia na semana passada, para assinalar o aniversário de um ano da invasão da Rússia.

Embora não haja informações de que ele tenha aceitado o convite de Sandu para visitá-la, a Casa Branca disse que Biden reafirmou o apoio à "soberania e integridade territorial" da Moldova.

Eis o que precisa de saber.

O que está a acontecer na Moldova?

No início deste mês, Zelensky alertou que os serviços secretos ucranianos intercetaram um plano russo para desestabilizar uma situação política já de si volátil na Moldova.

A recente demissão do primeiro-ministro do país seguiu-se a um período de crises contínuas, encabeçadas pelo aumento dos preços do gás e por uma inflação altíssima. O novo primeiro-ministro da Moldova deu continuidade à campanha pró-UE, mas desde então têm ocorrido protestos pró-russos na capital, Chisinau, apoiados por um partido político marginal e pró-Moscovo.

No meio das tensões, a presidente da Moldova fez uma acusação direta de que a Rússia estava a tentar tirar partido da situação.

Sandu disse que o governo russo tinha planeado, no outono, "uma série de ações envolvendo sabotadores que receberam treino militar e estão disfarçados de civis para levar a cabo ações violentas, ataques a edifícios governamentais e tomada de reféns".

Sandu também alegou que indivíduos disfarçados de "a chamada oposição" iriam tentar forçar uma mudança de poder em Chisinau através de "ações violentas". A CNN não conseguiu verificar essas alegações de forma independente.

"É evidente que estas ameaças da Rússia e o apetite para intensificar a guerra contra nós são muito grandes", disse à CNN Iulian Groza, ex-vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova e agora diretor do Instituto para as Políticas e Reformas Europeias, sediado em Chisinau.

"A Moldova é o país mais afetado depois da Ucrânia (pela) guerra", disse. "Ainda somos um país pequeno, com uma economia subdesenvolvida, e isso gera muita pressão."

O que está a Rússia a planear?

Apesar dos apelos de inocência de Moscovo, as suas ações em relação à Moldova têm uma semelhança impressionante com as medidas que tomou antes da anexação da Crimeia em 2014 e invasão em grande escala da Ucrânia no ano passado.

Na terça-feira, Putin revogou um decreto de política externa de 2012 que em parte reconhecia a independência da Moldova, segundo a Reuters.

Depois, na quinta-feira, o Ministério da Defesa russo acusou a Ucrânia de "preparar uma provocação armada" contra a região separatista pró-russa da Moldova na Transnístria "num futuro próximo", informou a TASS, órgão de comunicação social estatal.

Não foram apresentadas provas ou outros pormenores para suportar a acusação do ministério russo, e a acusação foi rejeitada pela própria Moldova.

Mas a alegação colocou os líderes ocidentais em alerta, quase exatamente um ano depois de Putin ter feito afirmações semelhantes e sem fundamento de que os russos estavam a ser atacados no Donbass - o flanco oriental da Ucrânia onde Moscovo apoiava militantes separatistas desde 2014 - permitindo-lhe lançar a sua invasão do país como uma questão de legítima defesa.

"Foi o caso antes - vimos atividades constantes da Rússia a tentar e explorar o espaço de informação na Moldova usando propaganda", disse Groza.

"Com a guerra, todos estes instrumentos que a Rússia usava foram multiplicados e intensificados", apontou. "O que vemos é uma reativação dos procuradores políticos russos na Moldova."

"Vejo muitas marcas de forças russas, serviços russos na Moldova", afirmou o primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki à CBS no domingo passado. "Este é um país muito fraco, e todos nós precisamos de os ajudar."

Porque é que a Rússia tem uma posição militar na Moldova?

No centro dos interesses da Rússia na Moldova está a Transnístria, um território separatista que se estende ao longo do flanco oriental do país e que alberga tropas russas há décadas.

O território - um enclave de mais de 2.000 km2 na margem oriental do rio Dniester - foi o local de um posto militar russo durante os últimos anos da Guerra Fria. Declarou-se uma república soviética em 1990, opondo-se a qualquer tentativa da Moldova de se tornar um Estado independente ou de se fundir com a Roménia após a desintegração da União Soviética.

Quando a Moldova se tornou independente no ano seguinte, a Rússia rapidamente se inseriu como uma chamada "força de manutenção da paz" na Transnístria, enviando tropas para apoiar os separatistas pró-Moscovo.

Seguiu-se a guerra com as forças moldavas, e o conflito terminou num impasse em 1992. A Transnístria não foi reconhecida internacionalmente, nem mesmo pela Rússia, mas as forças da Moldova deixaram-na como um Estado separatista de facto. Esse impasse deixou o território e os seus cerca de 500.000 habitantes presos no limbo, com Chisinau praticamente sem controlo sobre ele até hoje.

Porque é que a Moldova é importante?

A Moldova é um país numa encruzilhada entre o leste e o oeste. O seu governo e a maioria dos seus cidadãos querem laços mais estreitos com a UE, e o país alcançou o estatuto de candidato no ano passado. Mas é também o lar de uma fação separatista, cujo sentimento Moscovo tem procurado avidamente irritar.

Tem sido um ponto crítico na periferia da invasão russa da Ucrânia durante o ano passado, com mísseis russos a atravessarem o espaço aéreo moldavo em várias ocasiões, incluindo no início deste mês.

Uma série de explosões na Transnístria em abril aumentou as preocupações de que Putin estivesse a procurar arrastar o território para a sua invasão.

O progresso militar vacilante da Rússia desde então dissipou temporariamente esses receios. Mas as autoridades na Moldova têm alertado o Ocidente de que o seu país poderá ser o próximo na lista de Putin.

Várias casas foram danificadas na aldeia moldava de Naslavcea no mês passado, após um míssil russo intercetado pelas forças ucranianas ter atingido a parte norte da cidade, segundo as autoridades locais. Ministério dos Assuntos Internos da Moldova

No mês passado, o chefe do serviço de segurança da Moldova advertiu que existe um risco "muito elevado" de a Rússia lançar uma nova ofensiva no leste da Moldova em 2023. A Moldova não é membro da NATO, o que a torna mais vulnerável à agenda de Putin.

Caso a Rússia lance uma ofensiva de primavera centrada no sul da Ucrânia, poderá tentar novamente aproximar-se de Odessa e depois ligar-se à Transnístria, essencialmente criando uma ponte terrestre que atravessa o sul da Ucrânia e se aproxima ainda mais do território da NATO.

*Tim Lister, Hannah Ritchie e Niamh Kennedy contribuíram para este artigo com reportagens

Continue a ler esta notícia

Relacionados