O candidato à presidência da Iniciativa Liberal (IL), Rui Rocha, disse que "é inevitável" que o partido suba à terceira força política.

Rui Rocha subiu ao púlpito do Centro de Congressos, em Lisboa, onde decorre a VII Convenção Nacional da IL, para frisar o seu objetivo enquanto candidato à liderança dos liberais: "Eu quero mudar Portugal, nós vamos transformar Portugal."

"Estou convencido de que é inevitável sermos a terceira força política", declarou, seguido de aplausos dos militantes presentes na reunião magna.

Mas, para o candidato à liderança dos liberais, não basta ser a terceira força política: "Queremos acabar com o bipartidarismo e precisamos de ser ambiciosos, não basta dizer que queremos ser a terceira força política, não chega e não permite transformar Portugal. Não quero fazer cócegas ao sistema, quero mudar Portugal."

Para isso, contudo, o candidato reconhece que é preciso "um partido forte" e consciente de que há coisas a melhorar internamente: "Temos de ser críticos do nosso percurso, obviamente que há coisas a melhorar."

Rui Rocha lembra ainda os "combates políticos" que a IL tem pela frente, começando logo pelas eleições regionais na Madeira, e aqui assinalou um dos seus objetivos: "Não temos aqui uma grande delegação na Madeira. Não queremos eleger apenas o primeiro deputado regional na Madeira, nós queremos eleger mesmo o primeiro grupo parlamentar na Madeira."

O mesmo ambiciona o candidato para as eleições regionais nos Açores, onde a IL já tem representação parlamentar com o deputado único Nuno Barata. Rui Rocha não esquece as eleições europeias, ambicionando eleger "o primeiro deputado liberal português".

Deputado e membro da atual comissão executiva, Rui Rocha conta com o apoio do líder cessante, João Cotrim Figueiredo, e da maioria do grupo parlamentar liberal.

Beatriz Céu