É mais um avanço na intenção de proibir todas as formas de terapias de conversão no Reino Unido: além de tornar ilegais as tentativas de mudar a sexualidade de alguém, a nova lei incluirá também práticas voltadas para pessoas transgénero.

A informação foi avançada pela ministra da Cultura britânica, Michelle Donelan, que adiantou que o governo britânico publicará em breve um projeto de lei, que estabelece propostas para proibir práticas de conversão em Inglaterra e no País de Gales.

"O projeto de lei protegerá a todos, incluindo aqueles visados ​​com base na sua sexualidade ou por serem transgénero", pode ler-se no comunicado.

O governo britânico afirmou em 2021 que iria proibir a terapia de conversão para pessoas LGBT para evitar "práticas repugnantes que podem causar danos físicos e mentais", mas depois decidiu que a proibição abrangeria apenas lésbicas, gays ou bissexuais - e não pessoas transgénero.

Mais de duas dúzias de grupos de saúde e aconselhamento assinaram um memorando de entendimento atualizado no ano passado, a concordar que "a terapia de conversão, seja em relação à orientação sexual ou à identidade de género, é antiética e potencialmente prejudicial".

As práticas de conversão - que podem incluir métodos extremos ou prejudiciais - visam suprimir ou impedir que uma pessoa seja homossexual ou se identifique com um género diferente do sexo registado no nascimento. Podem também passar por terapias de fala e oração, mas formas mais extremas podem incluir exorcismo, violência física e privação de alimentos.

Um estudo de 2017 descobriu que 5% dos entrevistados receberam terapia de conversão e 2% a submeteram, com mais de metade feita por grupos religiosos.

Na sequência desta retificação, a ministra britânica afirmou ainda: "A legislação não deve, por falta de clareza, prejudicar o número crescente de crianças e jovens adultos que sofrem de angústia relacionada ao género, criminalizando inadvertidamente ou influenciar conversas legítimas que pais ou médicos possam ter com os seus filhos”, disse Michelle Donelan.

Alguns grupos religiosos opõem-se a qualquer proibição da terapia de conversão e argumentam que tal infringiria os ensinamentos religiosos tradicionais, como a crença de que todo sexo fora do casamento heterossexual é pecado. A Aliança Evangélica, que afirma representar 3.500 igrejas, disse que uma proibição poderia comprometer as liberdades religiosas, como a oração de apoio.

No entanto, a Igreja da Inglaterra disse que estas práticas "não têm lugar no mundo moderno" e um grupo de líderes cristãos escreveu uma carta ao primeiro-ministro a pedir a inclusão de pessoas trans, assim como vários psicoterapeutas e conselheiros.

Já são cerca de 16 os países que introduziram uma proibição total ou parcial às terapias de conversão, incluindo Brasil, Canadá e Alemanha. Nos Estados Unidos, cerca de 20 estados proibiram a prática para menores, embora muitos deles não incluam conselheiros e organizações religiosas.

Alguns outros países, incluindo Irlanda, Dinamarca e Israel, estão atualmente a introduzir medidas para banir a terapia de conversão ou iniciar consultas.

CNN Portugal / RL