A Ucrânia pode lançar a sua contraofensiva a qualquer momento. Eis o que está à espera - TVI

A Ucrânia pode lançar a sua contraofensiva a qualquer momento. Eis o que está à espera

  • CNN
  • Tim Lister
  • 30 abr 2023, 22:00
Três filas de dentes de dragão e trincheiras, a leste de Vasylivka, Zaporizhzhia, a 4 de março. Imagem de satélite ©2023 Maxar Technologies

Relacionados

A Ucrânia diz que os preparativos para a contraofensiva da primavera estão quase concluídos. Quando for lançada, provavelmente no sul, marcará um momento crucial no conflito. Mas os russos tiveram quase seis meses para preparar o terreno - e construir um elaborado conjunto de defesas. Ultrapassá-las será um enorme desafio.

Imagens de satélite analisadas pela CNN e por outras organizações noticiosas mostram a extensão das defesas russas que foram construídas em partes do sul da Ucrânia - valas antitanque, obstáculos, campos minados e trincheiras.

As defesas continuam por centenas de quilómetros ao longo da sinuosa frente sul - onde se espera que as forças ucranianas concentrem a sua contraofensiva nas próximas semanas.

O desafio para os ucranianos será contornar ou ultrapassar esses obstáculos a grande velocidade, criando um ímpeto que faça com que o comando e controlo russos sejam eliminados.

Várias imagens de satélite partilhadas com a CNN pela Maxar Technologies, e tiradas na quarta-feira, mostram extensas trincheiras a leste da cidade de Polohy, na região de Zaporizhzhia. Uma análise das imagens efetuada pela Reuters encontrou milhares de posições defensivas numa vasta área.

"As posições da Rússia estão mais concentradas perto das linhas da frente na região sudeste de Zaporizhzhia, a leste e ao longo da estreita faixa de terra que liga a península da Crimeia ao resto da Ucrânia", segundo a análise da Reuters.

Trincheiras defensivas na região de Zaporizhzhia. Imagem de satélite ©2023 Maxar Technologies

As defesas russas incluem, por exemplo, valas antitanque perto de Polohy que se estendem por 30 quilómetros, bem como fortificações adicionais em torno de cidades importantes como Tokmak. Esta área será crítica caso as forças ucranianas tentem avançar em direção à cidade de Melitopol e dividir as forças russas no sul.

Stephen Wood, da Maxar, diz que estas defesas são replicadas numa enorme extensão de território, desde a Crimeia, no sul, até partes de Donetsk.

A CNN já noticiou anteriormente a construção de fortificações defensivas no norte da Crimeia.

O líder da Crimeia nomeado pela Rússia, Sergey Aksyonov, disse no início deste mês que as suas forças armadas "construíram uma defesa moderna e profundamente protegida".

Meses de preparação

Estas defesas começaram a surgir depois de as forças russas se terem retirado de parte da região de Kherson, em novembro, e terem essencialmente estabelecido uma nova linha defensiva que se estende por áreas maioritariamente rurais do sul da Ucrânia. O Ministério da Defesa do Reino Unido afirmou em novembro que duas fábricas estavam a produzir obstáculos de betão para tanques, os chamados "dentes de dragão".

No entanto, estas defesas são tão boas quanto as forças designadas para cada setor. Por si só, são um obstáculo limitado. É por isso que os russos têm enviado mais unidades para o sul da Ucrânia. Estas linhas defensivas tornaram-se fundamentais para os seus objetivos gerais.

As autoridades ucranianas têm recebido frequentemente relatos de pessoas em áreas ocupadas, como Mariupol e Berdyansk, sobre a passagem de longos comboios russos e a apropriação de dezenas de edifícios como acomodações militares.

Imagens de satélite mostram que uma grande base russa no norte da Crimeia, que em fevereiro estava cheia de equipamento, incluindo artilharia e tanques, estava muito mais vazia no final de março e quase completamente desocupada na semana passada. Não se sabe ao certo para onde foi o equipamento, mas é provável que tenha sido enviado para norte para reforçar as linhas defensivas russas.

Uma base russa na Crimeia, outrora cheia, está agora praticamente vazia. Imagem de satélite ©2023 Maxar Technologies

Mesmo assim, é excecionalmente difícil dizer quantas tropas russas - e de que qualidade - são designadas para cada secção de uma linha de frente tão longa. Será fundamental que os ucranianos interrompam as linhas de abastecimento, destruam os depósitos de munições e atinjam as infraestruturas de combustível (entre muitas outras tarefas) antes da ofensiva.

Isso tornará mais difícil a sustentação das tropas russas.

Os ucranianos estarão a avaliar os pontos fracos da Rússia, porque a dinâmica quando a contraofensiva começar será crítica.

Sem surpresas

Os responsáveis ucranianos reconheceram que, ao contrário do que aconteceu em setembro com o súbito bombardeamento de grande parte da região de Kharkiv, não terão o elemento surpresa em qualquer contraofensiva de maior envergadura.

Os responsáveis russos em Zaporizhzhia afirmam que as forças ucranianas já estão a aumentar consideravelmente na região. Vladimir Rogov, líder da organização "Estamos Juntos com a Rússia" em Zaporizhzhia, disse na quinta-feira que várias novas brigadas ucranianas deverão chegar à linha da frente até ao final da semana.

"Estas brigadas estão a ser transferidas para os 12.000 combatentes existentes na área", indicou Rogov.

A sua afirmação não pôde ser verificada e as autoridades ucranianas não divulgam o movimento das suas unidades.

A NATO diz que 98% dos veículos de combate prometidos à Ucrânia estão já no país e o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, afirmou na sexta-feira que os preparativos para a contraofensiva estão quase finalizados.

Vista aérea da defesa russa. Imagem de satélite ©2023 Maxar Technologies

Mas as unidades ucranianas terão de dominar as manobras de armas combinadas com este novo equipamento, incluindo a desminagem, a remoção de obstáculos para tanques e a construção de pontes com os seus batalhões de assalto. Trata-se de uma coordenação complexa.

O pacote de ajuda americana anunciado em março incluía veículos blindados para lançamento de pontes (AVLB), que acompanhariam as unidades em avanço - bem como munições de demolição (minas).

E, para serem bem sucedidos, terão de trabalhar com uma excelente coordenação e comunicação. Alguns analistas compararam o que os ucranianos precisam de fazer com os desembarques do Dia D, sobre os quais o general alemão Erwin Rommel disse na altura: "As primeiras vinte e quatro horas da invasão serão decisivas para os aliados, bem como para a Alemanha, será o dia mais longo."

Franz-Stefan Gady, especialista em guerra moderna, de Londres, antecipa que o objetivo ucraniano deve ser "desencadear a paralisação da liderança militar russa e o pânico nas fileiras russas". "Fatores intangíveis como a surpresa tática, a liderança no campo de batalha e o moral dos combatentes serão provavelmente decisivos nas primeiras 24 horas de um ataque."

Num cenário ideal, observa, "as colunas blindadas ucranianas atravessam as defesas russas num ponto fraco, avançam rapidamente para a retaguarda russa e ameaçam as cadeias de comando e controlo, como os quartéis-generais militares e os centros de abastecimento".

Mas o perigo para as forças ucranianas, de acordo com Matthew Schmidt, professor de segurança nacional na Universidade de New Haven, nos Estados Unidos, é que a contraofensiva se torne "um combate divido, com vários confrontos entre pelotões", com os ucranianos a ficarem retidos.

O domínio das armas combinadas - a utilização de uma variedade de meios em coordenação - será crucial, explica. "Atacar os depósitos de abastecimento na retaguarda, desminar rapidamente, coordenar os fogos e o movimento desde a brigada até ao pelotão."

Os ucranianos têm a vantagem de poder escolher onde e quando ir, e com que concentração de forças. Rogov, o oficial nomeado pela Rússia em Zaporizhzhia, diz que espera que os ucranianos lancem vários ataques de diversão para tentar confundir as defesas russas, especialmente com a utilização de pequenos grupos de reconhecimento através do rio Dnipro, tanto em Zaporizhzhia como em Kherson.

Uma vez iniciado o assalto, podem entrar em jogo outros fatores: tudo, desde as condições meteorológicas à capacidade e vontade de contra-atacar dos russos, passando pela componente aérea.

Um contra-ataque russo?

Um dos atributos de uma defesa bem sucedida é a capacidade de contra-atacar, de desequilibrar o avanço do inimigo e de o obrigar a enviar tropas para onde preferia não o fazer. A capacidade dos russos para o fazerem eficazmente é duvidosa. Os analistas ocidentais acreditam que as forças de elite, como os paraquedistas russos, sofreram pesadas perdas no início da campanha, das quais ainda não recuperaram.

"Apesar das adaptações táticas a que assistimos por parte dos russos, ainda não os vimos conseguir um avanço operacional durante as ofensivas de 2023", afirma Mick Ryan, um antigo general australiano que escreve o boletim de estratégia militar Futura Doctrina e que esteve recentemente na Ucrânia.

Mas os russos mantêm uma vantagem distinta no ar, o que pode ser crucial para travar o progresso ucraniano. Ryan observa que, para evitar as defesas aéreas ucranianas, a força aérea russa tem utilizado cada vez mais armas stand-off (que dão tempo às tropas no terreno para fugir), como as bombas planadoras de 1,5 toneladas que foram recentemente utilizadas em torno de Bakhmut.

"Estas não só aumentam a capacidade de sobrevivência do avião, como também são muito difíceis de intercetar", esclarece Ryan.

Apesar da maior engenhosidade e motivação dos ucranianos, e apesar das perdas surpreendentes dos russos desde o início da invasão, Moscovo mantém recursos muito superiores neste conflito.

"A longo prazo, as forças armadas ucranianas terão dificuldade em escapar ao combate de atrito desta guerra terrestre centrada na artilharia", observa Gady.

E mesmo que consigam romper as linhas russas e chegar a Melitopol e Berdyansk, há poucas expetativas entre as autoridades ocidentais de que o presidente russo Vladimir Putin mude os seus objetivos na Ucrânia.

Schmidt afirma que a força militar só funciona quando induz um efeito político. "Isso significa que Putin precisa de uma perda tão grande que não tenha como explicar e isso seria a tomada da Crimeia."

Continue a ler esta notícia

Relacionados