O Governo brasileiro chefiado por Jair Bolsonaro anunciou um luto oficial de três dias em todo o país pela morte, esta quinta-feira, de Edson Arantes Nascimento, conhecido como Pelé.

"É declarado luto oficial em todo o país, pelo período de três dias, contados da data de publicação deste Decreto, em sinal de pesar pelo falecimento de Edson Arantes do Nascimento, Pelé, ex-jogador de futebol", lê-se no decreto publicado no Diário Oficial da União e assinado pelo ainda presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Este anúncio chega pouco depois de o Governo do Brasil ter lamentado a morte de Pelé, ícone do desporto brasileiro, considerado o "rei do futebol" e de ter prestado condolências aos seus familiares.

"O Governo Federal, por meio da Presidência da República, presta suas condolências aos familiares e amigos de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, em razão de seu falecimento na cidade de São Paulo", diz o comunicado do Governo.

A nota destaca que "Pelé, o Rei do Futebol, foi um dos maiores atletas de todos os tempos".

Pelé, nascido a 23 de outubro de 1940 na cidade Três Corações, em Minas Gerais, foi o único futebolista três vezes campeão do mundo, em 1958, 1962 e 1970, marcou 77 golos nas 92 internacionalizações pela seleção brasileira e jogou pelo clube brasileiro Santos e pelo Cosmos, dos Estados Unidos.

Foi ainda ministro do Desporto no governo de Fernando Henrique Cardoso, entre 1995 e 1998, e eleito o desportista do século pelo Comité Olímpico internacional (1999) e futebolista do século pela FIFA (2000).

A lenda do futebol brasileiro e mundial ficou internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo, em 29 de novembro, quando se submeteu a uma reavaliação do tratamento ao cancro de colón detetado em setembro de 2021, e ao tratamento de uma infeção respiratória, agravada pela covid-19, com antibióticos.

Desde que foi operado ao cancro, Pelé passou por um ciclo de sessões de quimioterapia que o obrigou a ir várias vezes ao hospital para acompanhar a sua evolução.

A saúde de Pelé piorou nos últimos anos também por outras causas, como problemas na coluna, na anca e nos joelhos, que reduziram a sua mobilidade e o obrigaram a ser operado, além de ter sofrido uma crise renal, o que reduziu drasticamente as suas aparições públicas, embora tenha continuado ativo nas redes sociais.

/ DCT