«Conceição? Não me parece normal dar 20 por cento do passe a um jogador» - TVI

«Conceição? Não me parece normal dar 20 por cento do passe a um jogador»

André Villas-Boas (JOSE COELHO/LUSA)

Candidato às eleições do FC Porto, Villas-Boas abordou vários temas da atualidade do clube em entrevista à CNN Portugal

Relacionados

Em vésperas das eleições do FC Porto, André Villas-Boas abordou, em entrevista à CNN Portugal, vários temas da atualidade do clube. O candidato à presidência do clube recusou a ideia de que há uma «divisão» entre os adeptos e assumiu que espera cerca de 30 mil votantes.

«Falta fazer o teste final da operação das eleições. (...) Depende do comportamento dos sócios, mas esperamos que se comportem dignamente e ordeiramente. É uma operação logística de grande envergadura e de grande magnitude. Serão as eleições mais votadas de sempre, não há dúvidas. É preciso ter atenção a todos os detalhes. Por norma, as equipas do FC Porto são muito boas neste tipo de organizações. Gostaríamos de ver resolvida a questão relacionada com a presença da PSP no ato eleitoral. Avançámos com essa proposta e aguardamos resposta do Dr. Lourenço Pinto», começou por dizer.

O antigo treinador considerou «comum haver fragmentação» quando «há duas candidaturas muito fortes» e confessou que ainda não sabe onde se vai sentar no Clássico com o Sporting, dia seguinte ao ato eleitoral, caso seja eleito presidente.

«Boa questão. Já fizemos a questão ao Dr. Lourenço Pinto. Depende de vários cenários e da forma como decorrer o ato eleitoral. Tenho previsto sentar-me no meu lugar anual com os meus amigos e a minha família. É uma questão para a qual precisamos de respostas», atirou.

Em relação a Sérgio Conceição, Villas-Boas preferiu manter o discurso que tem apresentado ao longo da campanha.

«O treinador decidiu manter-se à parte do ato eleitoral e espero que se mantenha até ao fim. Vamos abordar a questão de forma transparente e frontal. Temos um modelo de gestão diferente [do atual] e há mudanças que podem implicar outro tipo de gestão por parte do treinador. Sei precisamente o que quero relativamente à direção desportiva e quero que o treinador se dedique à função de treinar», disse.

«Pepe e Sérgio Conceição? Do ponto de vista da minha gestão, muda muito pouco, são elementos que terminam contrato, não são os únicos. Do ponto de vista da comunicação, o presidente tem dito muitas coisas na campanha e esta pode ser mais uma que atira para o ar sem que a mesma esteja realizada, não pondo em causa a sua palavra. É a mesma coisa que dizer que David Carmo está vendido por 17,5 milhões de euros, que tem equipa de futebol feminino contratada e que não há suspensão da UEFA», assegurou.

Por último, Villas-Boas fez questão de saudar a contratação em definitivo de Francisco Conceição e, ao mesmo tempo, de criticar os contornos do negócio, uma vez que o atleta ficou com 20 por cento do seu passe.

«A renovação é boa notícia. O modelo do negócio... Não me parece bom negócio, não me parece normal dar 20 por cento do passe a um jogador. Custa. Saiu por cinco milhões de euros e o FC Porto foi obrigado a comprar por 10. Vai em linha com todos estes negócios estruturais que o presidente está a tomar que, na minha ótica, são de salvamento da candidatura, decisões que não devia estar a tomar a tão poucos dias das eleições», apontou.

 

Continue a ler esta notícia

Relacionados