Porque é que Biden apoia Israel de todo o coração - TVI

Porque é que Biden apoia Israel de todo o coração

  • CNN
  • Frida Ghitis
  • 12 nov 2023, 21:00
Joe Biden em Israel, 18 de outubro de 2023 (AP/Miriam Alster)

OPINIÃO || "Chega um momento", disse Joe Biden, "talvez a cada seis a oito gerações, em que o mundo muda num tempo muito curto". É o que está a acontecer agora, afirmou. "O que acontecer nos próximos dois, três anos (vai) determinar como será o mundo nas próximas cinco ou seis décadas."

"Enquanto os Estados Unidos se mantiverem de pé", disse o Presidente Joe Biden ao povo de Israel, "nunca vos deixaremos sozinhos". Foi uma das inúmeras expressões de apoio de Biden a Israel desde o ataque de 7 de outubro, em que os terroristas do Hamas assassinaram pelo menos 1.400 pessoas em Israel e fizeram mais de 200 reféns na Faixa de Gaza.

Frida Ghitis, antiga produtora e correspondente da CNN, é colunista de assuntos mundiais. É colaboradora semanal de opinião da CNN, colunista colaboradora do The Washington Post e colunista da World Politics Review. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

Biden esteve em Telavive, onde chegou no mês passado, poucos dias depois do início dos combates, para garantir aos israelitas que o país mais poderoso do mundo os apoiaria. Ao gabinete de guerra de Israel, terá dito que não é preciso "ser judeu para ser sionista, e eu sou sionista".

O apoio inabalável do Presidente dos EUA a Israel, cada vez mais temperado com apelos para que Israel faça um maior esforço para poupar os civis palestinianos na sua contraofensiva, tem tido consequências políticas numa altura pouco auspiciosa: irritou alguns democratas progressistas, bem como muçulmanos e árabes americanos, apenas um ano antes das eleições presidenciais de 2024.

É evidente que Biden não está a agir por um interesse político cínico (como alguns outros políticos podem fazer). Se assim fosse, tentaria enfiar uma linha na agulha, procurando salvaguardar a coligação que o levou ao poder. Não, Biden está a agir por uma convicção que transcende as considerações eleitorais.

Porque é que Biden apoia Israel de forma tão convicta? Duas forças internas poderosas impulsionam-no.

A primeira é uma compreensão ao longo da vida da história judaica e do papel indispensável que um Estado judeu desempenha no combate a milénios de antissemitismo. A segunda é a visão do mundo que impeliu Biden a candidatar-se ao cargo e que continuou a ser a Estrela Polar da sua presidência: a sensação de que o mundo está num ponto de viragem - potencialmente catastrófico - em que potências perigosas ameaçam desfazer as normas internacionais elaboradas ao longo de décadas desde a Segunda Guerra Mundial, normas que permitiram ao mundo progredir na preservação da paz e no avanço da democracia.

Biden voltou a referir este ponto na semana passada, no final de uma conferência de imprensa com o presidente do Chile em visita. "Chega um momento", disse ele, "talvez a cada seis a oito gerações, em que o mundo muda num tempo muito curto". É o que está a acontecer agora, afirmou. "O que acontecer nos próximos dois, três anos (vai) determinar como será o mundo nas próximas cinco ou seis décadas."

Ele referia-se, como já fez noutras ocasiões, a múltiplos dramas em jogo no país e no estrangeiro, desde a possibilidade de outra presidência Trump, à guerra na Ucrânia, à guerra atual e ao potencial de ainda mais violência no Médio Oriente, à tensão latente entre a China e os seus vizinhos.

Para Biden, estes imperativos - estratégicos, históricos, morais, emocionais - juntam-se na guerra entre Israel e o Hamas, apoiado pelo Irão, um grupo terrorista fundado com o objetivo de destruir Israel.

Mesmo estando ao lado de Israel, Biden insiste em que a guerra deve ser seguida pela busca da autodeterminação dos palestinianos, um ponto que também tem defendido repetidamente.

Biden aprendeu a história judaica ao pé do seu pai. Falou sobre o facto de ter crescido a ouvir o seu pai, à mesa de jantar, comentar "como o mundo ficou em silêncio nos anos 30 perante Hitler", cuja ascensão levou ao assassínio de seis milhões de judeus e a uma conflagração mundial. Biden foi muitas vezes ao campo de extermínio de Dachau, tendo recentemente levado a sua neta consigo e entrado na câmara de gás onde os nazis envenenaram inúmeros judeus até à morte.

Quando o Hamas lançou o seu ataque brutal, com os seus membros a filmarem-se a torturar e a matar as suas vítimas, Biden viu a ligação entre a história judaica e este, o pior massacre de judeus desde o Holocausto.

"Ao mesmo tempo que se coloca ao lado de Israel, Biden insiste que a guerra deve ser seguida da procura da autodeterminação dos palestinianos". Frida Ghitis

Num discurso contundente, a 10 de outubro, declarou: "Há momentos nesta vida... em que o mal puro e não adulterado é desencadeado neste mundo".  A carnificina, disse ele, "trouxe à superfície... milénios de antissemitismo e genocídio do povo judeu".

O ex-embaixador de Israel nos Estados Unidos, Michael Oren, chamou o discurso de "o mais apaixonadamente pró-Israel da história".

Mas Biden viu mais do que milénios. Ele viu as tendências dos últimos anos. O aumento do extremismo alimentado por forças autocráticas e antidemocráticas. Foi o fenómeno que o levou a concorrer à presidência em 2019, quando disse que a visão de neonazis supremacistas brancos marchando em Charlottesville, Virgínia, "veias salientes e carregando as presas do racismo", estavam cantando "a mesma bílis antissemita ouvida em toda a Europa na década de 30" o persuadiu a entrar na corrida.

A presidência de Biden tem sido impulsionada pela missão de contrariar essas forças num momento a que chamou "um ponto de inflexão na história", reconstruindo alianças, lutando assertivamente contra autocratas agressivos e expansionistas e demonstrando aos amigos da América que os EUA estarão ao seu lado.

Enquanto muitos vêem uma guerra entre Israel e o Hamas, Biden vê algo muito maior.

As guerras lançadas pelo presidente russo, Vladimir Putin, contra a Ucrânia e pelo Hamas contra Israel, disse ele, são obviamente diferentes, mas têm muito em comum. Tanto o Hamas como a Rússia estão a receber apoio do Irão. Tanto o Hamas como a Rússia "querem aniquilar completamente uma democracia vizinha".

Neste momento crucial da história, o presidente vê um papel indispensável para os Estados Unidos. "A história", disse ele, "ensinou-nos que quando os terroristas não pagam um preço pelo seu terror, quando os ditadores não pagam um preço pela sua agressão, eles causam mais caos e morte e mais destruição."

Biden parece ver a Rússia de Putin, os aliados do Ayatollah, o Hamas em Gaza, o Hezbollah no Líbano e outros como forças desestabilizadoras, que rejeitam os vizinhos e desencadeiam guerras. Derrotá-los permitiria aos EUA ajudar a construir o que Biden descreve como um Médio Oriente mais estável, com "menos raiva, menos queixas, menos guerra".

Para o conseguir, é provável - e desejável - que Biden diga aos israelitas que a sua responsabilidade vai além de derrotar uma organização terrorista e de o fazer dentro dos limites do direito internacional. Para a sua própria segurança, e para a realização - ou pelo menos para um maior progresso no sentido da realização - das aspirações históricas de Biden, ele deve instar Israel a envolver-se com os palestinianos que procuram a paz e a coexistência e a trabalhar para resolver o conflito.

Esta tem sido uma busca frustrante no passado, dando poder aos rejeicionistas. Mas continua a ser indispensável. Com um Presidente dos EUA que já provou compreender Israel, que compreende visceralmente a necessidade de uma pátria judaica, os israelitas devem a Biden a atenção aos seus conselhos.

Continue a ler esta notícia