Os Estados Unidos e os seus aliados estão a pedir à Ucrânia para mudar o seu foco na brutal luta de meses na cidade de Bakhmut e dar prioridade a uma potencial ofensiva no sul, utilizando uma tática diferente que tire proveito dos milhares de milhões de dólares em material militar recentemente disponibilizado pelo Ocidente, dizem autoridades norte-americanas e ucranianas à CNN.

Durante quase seis meses, as forças ucranianas têm disputado com as tropas russas cerca de 60 quilómetros de território em Bakhmut, que fica entre as cidades separatistas de Donetsk e Lugansk. Os intensos bombardeamento deixaram a cidade quase completamente destruída.

"É uma luta brutal e esgotante", disse um alto funcionário dos serviços secretos ocidentais na semana passada, referindo-se à troca de 100-400 metros de terreno por dia e a troca de vários milhares de disparos de artilharia quase diariamente. "[Bakhmut] é menos atraente militarmente, em termos de qualquer tipo de infraestrutura, do que poderia ter sido se não tivesse sido tão destruído."

Agora, antes do que se espera que seja uma onda brutal de combates, há uma abertura tática, dizem as autoridades norte-americanas e ocidentais. Nas últimas semanas, começaram a sugerir que as forças ucranianas parassem com as perdas em Bakhmut, o que, segundo os aliados, tem pouco significado estratégico para a Ucrânia, e se concentrassem antes em planear uma ofensiva no sul.

Isto fazia parte de uma mensagem entregue por três altos funcionários de Biden que viajaram para Kiev na semana passada.

Numa reunião com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, o conselheiro adjunto de segurança nacional Jon Finer, a secretária de Estado adjunta Wendy Sherman, e o subsecretário de Defesa para a Diplomacia Colin Kahl, disseram que os EUA querem ajudar a Ucrânia a afastar-se do tipo de batalha de atrito que se desenrola em Bakhmut e, em vez disso, concentrar-se num estilo de guerra de manobras mecanizadas que utiliza movimentos rápidos e imprevistos contra a Rússia, disseram fontes familiarizadas com o encontro.

As centenas de veículos blindados que os EUA e os países europeus forneceram à Ucrânia nas últimas semanas, incluindo 14 tanques britânicos, destinam-se a ajudar a Ucrânia a fazer essa mudança, disseram as autoridades.

Convencer Zelensky

Não é claro, porém, que Zelensky se sinta preparado para abandonar Bakhmut.

Fontes próximas do presidente ucraniano dizem à CNN que Zelensky não acredita que uma vitória russa em Bakhmut seja um facto consumado, e que ele continua relutante em desistir. Ao segurar Bakhmut, Zelensky acredita que a Ucrânia teria mais hipóteses de recuperar toda a região do Donbass, e que, se a Rússia vencer, isso lhe dará uma abertura para avançar ainda mais para as cidades estrategicamente importantes de Slovyansk e Kramatorsk.

Bakhmut é também um importante símbolo da resistência ucraniana.

Zelensky visitou Bakhmut pouco antes de viajar para Washington em dezembro, onde disse aos legisladores norte-americanos que "cada centímetro daquela terra está encharcado em sangue, com o som das armas a cada hora". "A luta por Bakhmut mudará a trágica história da nossa guerra pela independência e pela liberdade."

Em suma, Bakhmut "é importante porque os russos fizeram com que fosse importante - provavelmente mais do que o campo de batalha faz". Um oficial militar dos EUA também expressou o seu ceticismo de que a Ucrânia abandone Bakhmut - não por causa do seu valor no campo de batalha, mas porque o valor da mensagem é tão importante.

Há também alguns benefícios em tentar esgotar os russos em Bakhmut.

Na segunda-feira, um alto funcionário militar dos EUA disse aos jornalistas que a Rússia "apressou" dezenas de milhares de tropas "mal equipadas e mal treinadas" na linha da frente nos últimos meses, inclusive em Bakhmut. Mas apesar de em grande número, as novas tropas não alteraram a dinâmica do combate, disse.

Mas a Ucrânia também está a sofrer enormes baixas na guerra e a gastar diariamente enormes quantidades de munições de artilharia - um estilo de luta que os EUA não acreditam ser sustentável. Em termos absolutos, a Rússia ainda tem mais munições de artilharia e mão-de-obra, com a organização paramilitar Wagner a utilizar milhares de condenados para "atirar corpos" para a batalha, disse fonte dos serviços secretos ocidentais.

As autoridades norte-americanas esperam que a mais recente entrega de blindados e o treino alargado das forças ucranianas na Alemanha encorajará a Ucrânia a mudar as suas tácticas.

"Dependendo da entrega e treino de todo este equipamento, penso que é muito, muito possível para os ucranianos realizarem uma operação ofensiva significativa a nível tático ou mesmo operacional para libertar o máximo possível de território ucraniano", disse na sexta-feira o presidente do Estado-Maior Conjunto Mark Milley aos jornalistas.

Os cálculos de Putin

A pressão para que a Ucrânia mude a sua tática no campo de batalha surge após sinais de que o presidente russo Vladimir Putin está a ponderar fazer um grande movimento nas próximas semanas para recuperar a iniciativa na guerra, disseram à CNN funcionários familiarizados com os serviços secretos.

O director da CIA Bill Burns viajou para Kiev no início do mês para informar Zelensky sobre a avaliação dos EUA dos planos de Putin, disseram à CNN fontes próximas.

Há também indícios de que Putin está a considerar outra mobilização de tropas de até 200.000 homens, disseram à CNN funcionários dos EUA e ocidentais.

Militares ucranianos na linha da frente perto de Bakhmut. Créditos: Evgeniy Maloletka/AP

O Kremlin começou a realizar sondagens a nível interno para avaliar a popularidade de outra mobilização, segundo apurou a CNN. A próxima mobilização, acreditam alguns, seria mais silenciosa em comparação com a primeira, quando o próprio Putin fez um anúncio televisivo, chamando-lhe "mobilização parcial".

Putin está ciente de como foi impopular a primeira mobilização no final do ano passado, quando irromperam protestos e centenas de milhares de russos em idade de combater fugiram do país para escapar ao recrutamento. E, por isso, Putin ainda não tomou uma decisão sobre outro esforço de mobilização.

Mas a Rússia continua a precisar de "corpos" para atirar ao combate. A primeira mobilização quase duplicou a presença de tropas russas na Ucrânia - mesmo que tenha produzido combatentes sem formação e indisciplinados - e, em geral, fontes familiarizadas com os serviços secretos norte-americanos e ocidentais afirmaram que o controlo de Putin no poder permanece seguro.

"Pensamos que Putin ainda não se decidiu, particularmente no que diz respeito a quando fazê-lo", disse um alto funcionário dos serviços secretos ocidentais, acrescentando que o presidente russo "está certamente preocupado com o golpe social e as repercussões económicas negativas".

Nada mais do que "carne para canhão"

As intenções de Putin para uma nova ofensiva tornaram-se mais claras para os responsáveis ocidentais no início deste mês, quando elevou o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior General russo, a comandante geral da guerra.

Gerasimov, que simboliza os primeiros fracassos da Rússia na guerra, está ansioso para provar que pode inverter a maré, e está a pressionar para uma nova ofensiva para retomar o território no leste e sul.

"Não tenho dúvidas de que Gerasimov sente que é melhor lançar uma ofensiva na primavera - por isso, uma virá", disse a fonte dos serviços secretos ocidentais.

Algumas autoridades militares russas foram ouvidas nas últimas semanas a discutir a possibilidade de tentar capturar a cidade de Kharkiv, de acordo com fontes familiarizadas com as conversas interceptadas pelos serviços secretos ocidentais e ucranianos.

 Imagem de uma área destruída em Bakhmut, 12 de janeiro de 2023. Créditos: Libkos/AP

Mas funcionários e analistas militares norte-americanos e ocidentais disseram à CNN que Kharkiv - uma grande cidade que foi mantida pelos ucranianos no outono passado, após uma contraofensiva surpresa - não parece ser um alvo remotamente alcançável para os militares russos. Por muito que Putin gostasse de tentar atingir novamente Kiev, dizem os oficiais, também isso está atualmente fora do alcance das suas forças.

Como informou a CNN, o fogo de artilharia russa diminuiu drasticamente o seu pico, em alguns lugares até 75%, num sinal provável de que os russos foram forçados a racionar munições.

Isto pode ser um enorme problema para a Rússia se quiser lançar uma nova grande ofensiva contra as principais cidades, observou um especialista militar.

É mais provável, disseram as autoridades, que a Rússia continue a concentrar a maior parte da sua atenção em conquistar mais território na região do Donbass - com Bakhmut como um potencial trampolim - e na região de Zaporizhzhia, onde os militares ucranianos relataram no sábado que as forças russas já estavam a intensificar as hostilidades.

A Rússia pretende manter a "ponte terrestre" da sua região de Rostov para a Crimeia, disseram as autoridades, e precisa de manter os seus ganhos no sul da Ucrânia para o fazer.

"Um grande avanço ucraniano em Zaporizhzhia poria seriamente em causa a viabilidade da 'ponte terrestre' russa", informou o Ministério da Defesa do Reino Unido na sua atualização regular dos serviços secretos no início deste mês.

Concluindo, os EUA e os seus aliados estão céticos quanto à capacidade da Rússia em montar uma ofensiva a sério.

"[Duvido muito, dado o que vimos da capacidade russa de mobilizar, equipar e treinar de forma eficaz, que possa ser algo diferente do que já vimos", disse a fonte ocidental dos serviços secretos. "E o que já vimos não passa de carne para canhão."

*Oren Liebermann contribuiu para este artigo

CNN / Natasha Bertrand, Alex Marquardt e Katie Bo Lillis