Sôtor

Interpretado por José Carlos Pereira
Médico trintão, trabalha fora, mas vai à aldeia duas vezes por semana. Para além de médico, também o convencem a ser veterinário. E parteiro. E enfermeiro. E fisioterapeuta. E tudo. Por ser um homem mais moderno, todos os machos aldeões acham que ele é homossexual. Pelo contrário, as mulheres não. O Sôtor é um homem envolto de mistério, desconhecendo-se, de todo, a vida dele fora do consultório. É um homem culto, viajado e que, volta e meia, fica muito alheado, quer emocionalmente, quer presencialmente. Sofre de fortes dores de cabeça e automedica-se em excesso, levando a população, a pouco e pouco, ficar preocupada, sem perceber a causa.